sicnot

Perfil

Economia

FMI destaca dificuldades dos bancos portugueses em voltar aos lucros

O sistema bancário português "está a recuperar gradualmente, mas o retorno aos lucros está ainda difícil de conseguir", refere o Fundo Monetário Internacional (FMI) num documento divulgado esta segunda-feira.

Numa análise a Portugal ao abrigo do artigo IV, o FMI adianta que a banca portuguesa tem ainda vários problemas com imparidades, sendo que, com as taxas de juro a caírem, a rentabilidade financeira das operações pode dificultar a recuperação do sistema. (Arquivo)

Numa análise a Portugal ao abrigo do artigo IV, o FMI adianta que a banca portuguesa tem ainda vários problemas com imparidades, sendo que, com as taxas de juro a caírem, a rentabilidade financeira das operações pode dificultar a recuperação do sistema. (Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

Numa análise a Portugal ao abrigo do artigo IV, o FMI adianta que a banca portuguesa tem ainda vários problemas com imparidades, sendo que, com as taxas de juro a caírem, a rentabilidade financeira das operações pode dificultar a recuperação do sistema. 

"O capital dos bancos diminuiu em 2014, com o rácio médio de 'core tier 1' (que mede a saúde financeira das instituições) a cair 0,5 pontos percentuais, para 11,4%", refere o documento, acrescentando que "o rácio de crédito-depósitos tem vindo a diminuir de forma constante", o que permitiu aos bancos reduzir a sua "dependência de operações de refinanciamento" junto do Banco Central Europeu. 

Preocupante, diz o FMI, é que o 'stock' de crédito malparado "continuou a subir, um reflexo de um lento progresso em direção a balanços saudáveis das empresas".

Em termos globais, o FMI considera que as atuais operações financeiras "não têm sido suficientes para compensar as perdas", em que os bancos são obrigados a assumir imparidades e a constituir provisões "com altos custos operacionais". 

Para a instituição internacional que integrou a 'troika', "a eliminação do excesso de dívida corporativa, é essencial para a recuperação de Portugal", alertando que uma "má alocação de crédito" enfraqueceria ainda mais a recuperação, pelo que uma "desalavancagem bem-sucedida iria reverter essa dinâmica, permitindo aos bancos realocar recursos para empresas viáveis".

O FMI considera que os bancos "devem aproveitar o atual ambiente económico e financeiro "para combater o excesso de dívida corporativa", além de que os acionistas devem capitalizar as instituições, "aumentar as provisões e acelerar o ritmo de 'write-off' [retirar do balanço perdas irrecuperáveis]". Tal situação, observa o FMI, "abriria espaço para novos empréstimos e reduziria os riscos financeiros que favoreçam o crescimento".

A instituição liderada por Christine Lagarde frisa que as perspetivas do sistema bancário são favoráveis, com uma boa liquidez global e uma noção de aversão ao risco positiva.

No entanto, o FMI diz que tal pode mudar se acontecerem situações como "qualquer volatilidade associada a turbulência no nível da zona euro", uma vez que tanto o setor privado como público "estão altamente expostos a estes riscos". 

Além disso, as exportações e os investimentos em Angola "poderão sofrer mais do que esperado, devendo as perspetivas de crescimento destes últimos deteriorar-se devido aos baixos preços do petróleo". 

Mesmo assim, a perspetiva de médio prazo é positiva porque a "competitividade externa de Portugal melhorou", provocando um crescimento da economia mais rápido, "impulsionado pelo investimento, o crescente 'stock' de capital humano e a força contínua da procura externa", segundo o FMI. 

Assim, os bancos devem aproveitar e "criar condições favoráveis" para a recuperação dos seus balanços.
Lusa
  • "A Minha Outra Pátria": o drama da Venezuela no Jornal da Noite
    2:12

    Reportagem Especial

    Quase cinco mil emigrantes regressaram à Madeira nos últimos meses por causa da crise económica, social e política na Venezuela. Os pedidos de ajuda ao Governo Regional dispararam. Muitos luso-venezuelanos voltaram às origens com pouco mais do que a roupa do corpo. "A Minha Outra Pátria" é a Reportagem Especial de hoje.

  • Fogo na Sertã alastrou aos concelhos de Mação e Proença-a-Nova
    2:37

    País

    Mais de 700 bombeiros combatem o incêndio que começou este domingo na Sertã e, durante a noite foi empurrado pelo vento para outros dois concelhos. As chamas atingiram as zonas de Mação e de Proença-a-Nova, onde os habitantes dizem que há várias casas destruídas pelo fogo. Esta manhã, chegaram dois aviões espanhóis para ajudar a controlar as chamas.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • Governo reconhece seca severa no continente desde 30 de junho

    País

    O Governo reconheceu, hoje, a existência de uma situação de seca severa no território continental, desde 30 de junho, que consubstancia um fenómeno climático adverso, com repercussões negativas na atividade agrícola, em despacho publicado hoje em Diário da República.

  • Oposição pressiona Maduro com anúncio de manifestações e greve geral
    1:34
  • Margem mínima de mil votos obriga a negociações intensas em Timor-Leste

    Mundo

    A Fretilin venceu sem maioria absoluta as lesgislativas para o VII Governo constitucional de Timor-Leste. De acordo com os dados oficiais, o partido de Mari Alkatiri obteve perto de 170 mil votos e conquistou 23 deputados. Já o partido de Xanana Gusmão que tinha vencido há cinco anos, ficou em segundo com 167 mil votos e 22 lugares no parlamento, num total de 65.