sicnot

Perfil

Economia

"Não está nas minhas prioridades ler os relatórios do FMI"

O ministro da Economia, António Pires de Lima, afirmou esta segunda-feira que os relatórios do Fundo Monetário Internacional (FMI) não estão nas suas prioridades.

Na sua intervenção, Pires de Lima, que durante o dia visitou várias empresas da região Norte, afirmou que os tempos atuais, a meses do final da legislatura, são tempos de "esperança" que derivam de se sentir que "Portugal está em gradual e humilde recuperação económica". (Arquivo)

Na sua intervenção, Pires de Lima, que durante o dia visitou várias empresas da região Norte, afirmou que os tempos atuais, a meses do final da legislatura, são tempos de "esperança" que derivam de se sentir que "Portugal está em gradual e humilde recuperação económica". (Arquivo)

TIAGO PETINGA / Lusa

"Não tive oportunidade [de ler o relatório] e confesso que não está nas minhas prioridades ler os relatórios do FMI. Não tenho que ter isso como prioridade, como sabe", disse o ministro aos jornalistas, questionado sobre o mais recente documento, depois de intervir na conferência sobre "Desregulação tarifária: Oportunidades e desafios" do ciclo "Engenharia em Movimento" do Instituto Superior de Engenharia do Porto. 

Na sua intervenção, Pires de Lima, que durante o dia visitou várias empresas da região Norte, afirmou que os tempos atuais, a meses do final da legislatura, são tempos de "esperança" que derivam de se sentir que "Portugal está em gradual e humilde recuperação económica".

No documento do FMI hoje divulgado relativo aos trabalhos da missão técnica a Portugal ao abrigo do Artigo IV, realizada em março, o FMI considerou que "deve ser dada prioridade a uma maior redução do número de funcionários [públicos] através de uma maior saída natural de trabalhadores [pela não renovação de contratos] e de cortes direcionados para áreas com pessoal a mais".

O FMI defendeu ainda que a atribuição de um crédito fiscal para famílias com baixos rendimentos é mais eficaz na redução da pobreza do que o aumento do salário mínimo, que, considera, pode prejudicar a criação de emprego.

Adicionalmente, a instituição com sede em Washington afirmou que as reformas estruturais implementadas pelo Governo ainda não produziram os efeitos desejados e avisou que, com este progresso limitado, a economia portuguesa não deverá crescer mais do que 1,25% no médio prazo.

O denominado Artigo IV do FMI prevê que sejam feitas análises às economias dos membros do Fundo, geralmente todos os anos. A missão da equipa técnica do FMI esteve em Lisboa em março.  

Lusa
  • SIC faz-se à estrada para ouvir eleitores
    2:13
  • Furacão Maria ameaça Ilhas Virgens e Porto Rico

    Mundo

    O furacão Maria "potencialmente catastrófico" está a ameaçar as Ilhas Virgens e o Porto Rico, depois de esta terça-feira ter semeado a destruição na Dominica e provocado um morto e dois desaparecidos na ilha francesa de Guadalupe.

  • Pistolas Nerf podem causar graves lesões nos olhos

    Mundo

    As balas das pistolas Nerf, quando atingem os olhos, podem causar graves lesões. O aviso é de um grupo de médicos de Londres, que recomenda a utilização de óculos protetores e o aumento da idade mínima para a utilização dos brinquedos.

    SIC

  • Investigadores descobrem como transformar gordura "má" em gordura "boa"

    Mundo

    Uma equipa de investigadores da Universidade de Washington, Estados Unidos, descobriu como converter a gordura corporal "má" em gordura "boa", permitindo queimar mais calorias e atrasar o aumento de peso, num estudo conduzido em ratos. Estes resultados abrem caminho para a possibilidade de desenvolver tratamentos mais eficazes para a obesidade e para a diabetes associada ao aumento de peso em pessoas, segundo os autores.

  • Escola na Croácia usa imagem de Melania Trump para chamar alunos

    Mundo

    "Imagine até onde pode ir com um pouco de inglês", foi com estas palavras que uma escola de inglês da Croácia decidiu promover as suas aulas, juntando ainda a fotografia de Melania Trump ao placard do anúncio. Agora, a primeira-dama norte-americana ameaça levar o Instituo Americki a tribunal. Entretanto, o placard já foi retirado do local.

    SIC