sicnot

Perfil

Economia

STCP registou prejuízo de 54,4 milhões de euros em 2014

O prejuízo da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) mais do que triplicou em 2014 face a 2013, atingindo os 54,4 milhões de euros.

"O resultado líquido do exercício foi negativo, em 54,4 milhões de euros, mais 39,6 milhões de euros que em 2013. Esta evolução resulta do agravamento dos resultados financeiros em 38,4 milhões de euros e dos resultados operacionais em 1,2 milhões de euros", lê-se no relatório e contas consolidadas de 2014, enviado na sexta-feira à Comissão do Mercado de Valores Imobiliários (CMVM).

O relatório, que será analisado em assembleia-geral no dia 28, refere também que os resultados financeiros consolidados foram negativos, de 47,2 milhões de euros, registando um agravamento face a 2013 de 38,4 milhões de euros. 

"Esta evolução deveu-se à variação da perda de justo valor de 'swap', de 40 milhões de euros, e aos respetivos juros, que agravaram em 50%", sustenta o documento.

Quanto aos resultados operacionais consolidados, o relatório indica que "foram negativos em 7,2 milhões de euros, representando um agravamento de 1,2 milhões de euros face a 2013". 

"Os gastos operacionais registaram uma redução de 11%, menos 7,2 milhões de euros, mas não compensaram a redução de 8,4 milhões de euros, verificada nos rendimentos operacionais, devido à redução das indemnizações compensatórias de 11,8 milhões de euros em 2013, para 4,9 milhões de euros em 2014", lê-se ainda.

Em 2014, os 474 autocarros e os seis elétricos da STCP transportaram um total de 74,4 milhões de passageiros, menos 5,4% que em 2013.

Contudo, lê-se no relatório e contas 2014, o carro elétrico, que representa 0,6% da procura global, registou um aumento de 7%.

No total, a frota da STCP percorreu 21,8 milhões de quilómetros (dos quais 111 mil feitos por elétricos), o que representa uma "redução de 3,7% face a 2013, para uma taxa de ocupação de 13,7 contra 13,9 no ano anterior".

Na mensagem que deixa no relatório e contas 2014, o presidente da STCP, João Velez Carvalho, afirma que, "quanto aos aspetos estratégicos, embora se tenham obtido melhorias quanto à sustentabilidade da empresa, a sua reestruturação e fusão com a Metro do Porto, SA, continuaram a ser temporariamente prejudicados pela incerteza quanto ao modelo de organização da mobilidade na Área metropolitana do Porto (AMP) e à natural instabilidade decorrente do processo de abertura à iniciativa privada".

O Governo lançou em 08 de agosto do ano passado o concurso público para a subconcessão da STCP e da Metro do Porto, sendo que apenas em meados de janeiro foi tomada a decisão de adjudicação ao consórcio espanhol TMB/Moventis.

A administração da Metro do Porto já assinou o contrato para exploração e manutenção por dez anos com o consórcio vencedor, mas tal ainda não aconteceu com na STCP.

  • Principais factos da acusação no caso BPN dados como provados

    País

    O coletivo de juízes responsável pelo julgamento do processo principal do caso BPN interrompeu perto das 13:00 a leitura do acórdão iniciada pelas 10:30. Os principais factos da acusação são dados como provados, mas a leitura deverá demorar algumas horas.

  • Greve na Função Pública vai afetar escolas, saúde e cultura

    País

    A greve nacional convocada para sexta-feira pela Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública (FNSTFPS) deverá afetar as escolas, a área da saúde e ainda da cultura, entre outros serviços, afirmou esta quarta-feira a dirigente sindical, Ana Avoila.

  • Papa pede a Trump para ser pacificador
    1:12
  • Supremo confirma condenação de Messi por fraude fiscal

    Desporto

    O Supremo Tribunal de Justiça espanhol confirma a condenação de Lionel Messi por fraude fiscal. A notícia foi avançada pelo El País. O jogador do Barcelona foi condenado a 21 meses de prisão por três crimes fiscais que lesaram o Estado em 4,1 milhões de euros.

  • Autódromo do Estoril está ilegal há 45 anos

    Desporto

    De acordo com o Público este equipamento desportivo, inaugurado na década de 70, não tem licença de construção nem de utilização. Uma notícia que apanhou de surpresa o executivo camarário de Cascais, liderado por Carlos Carreiras.

  • Seca na Bacia do Sado exige restrições ao uso da água no Alentejo

    País

    A Agência Portuguesa do Ambiente aprovou hoje um conjunto de medidas para gestão dos recursos hídricos, definindo medidas específicas para a bacia hidrográfica do Sado, a única que se encontra em situação de seca. Além da diminuição de regas em hortas e jardins, a APA recomenda o encerramento das fontes decorativas, a proibição de encher piscinas e de lavagem de automóveis.