sicnot

Perfil

Economia

Taxas Euribor descem a 3, 6 e 9 meses para novos mínimos, sobem a 12 meses

As taxas Euribor desceram hoje a três, seis e nove meses, para novos mínimos, e subiram a doze meses em relação a sexta-feira.               

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, foi hoje fixada em 0,056%, um novo mínimo de sempre e menos 0,002 pontos do que na sexta-feira. 

 
 

A Euribor a três meses, em valores negativos desde 21 de abril passado, caiu hoje para -0,011%, um novo mínimo e menos 0,001 pontos do que na sexta-feira.  

 
 

A nove meses, a Euribor também desceu hoje 0,001 pontos em relação a sexta-feira, ao ser fixada a 0,105%, um novo mínimo.  

 
 

Em sentido contrário, no prazo de doze meses, a Euribor subiu hoje para 0,168%, depois de na sexta-feira se ter fixado em 0,167%, atual mínimo de sempre, registado pela primeira vez a 29 de abril.  

 
 

As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.           



Lusa

 

 
 

 
 

 
 

 
 

 
 

 

 

 
 

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.