sicnot

Perfil

Economia

BCE antecipa compra de dívida devido à habitual menor liquidez no mercado no verão

O Banco Central Europeu (BCE) anunciou hoje que tenciona antecipar compras de títulos previstas no programa de 'Quantitative Easing', devido à habitual menor liquidez no mercado no verão. 

Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu (BCE) (Reuters/ Arquivo)

Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu (BCE) (Reuters/ Arquivo)

REUTERS

Banco Central Europeu (BCE) anunciou hoje que tenciona antecipar compras de títulos previstas no programa de 'Quantitative Easing', devido à habitual menor liquidez no mercado no verão. 

A possibilidade de antecipar o programa de aquisição de dívida foi comentada hoje pelo membro do conselho de governadores do BCE Benoit Coeure em Londres, segundo explica a instituição num comunicado divulgado hoje em Frankfurt. 

O membro do conselho de governadores do BCE Benoit Coeure mostrou-se preocupado com a velocidade da recente mudança de tendência dos preços dos títulos, mas assegurou que a antecipação das compras está relacionada com a habitual menor liquidez durante o verão e não com as condições atuais do mercado, informou uma fonte da Dow Jones citada pela Efe. 

"Não considero a recente inversão do preço dos títulos alemães e de outros títulos de dívidas soberanas um motivo de preocupação", porque esta reflete uma correção no mercado e uma perspetiva de crescimento mais otimista, indicou Coeure. "O que me preocupa mais é a rapidez da referida inversão", adiantou. 

Na opinião de Coeure, "depois de vários episódios similares, é outro incidente de extrema volatilidade nos mercados de capitais mundiais que dão mostras de uma redução de liquidez". 

Coeure assegurou que o BCE está consciente de que há padrões sazonais no mercado de renda fixa e que geralmente costuma haver menos liquidez entre meados de julho e finais de agosto. 

"O Eurosistema tem isto em conta na hora de aplicar o seu programa de compras massivas, já que antecipa a sua atividade compradora para maio e junho", afirmou. 

Isto permitiria ao banco central manter as compras médias mensais no valor de 60.000 milhões de euros "ainda que compre menos no período estival", adiantou. 

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.