sicnot

Perfil

Economia

Comissão de Assuntos Constitucionais vota propostas contra "enriquecimento injustificado"

A maioria PSD/CDS-PP leva hoje à votação na comissão de Assuntos Constitucionais uma proposta que substitui a expressão "enriquecimento ilícito" por "enriquecimento injustificado".

Presidente da comissão de Assuntos Constitucionais, Fernando Negrão (PSD)

Presidente da comissão de Assuntos Constitucionais, Fernando Negrão (PSD)

Arquivo SIC

O grupo de trabalho para tentar conciliar as diferentes propostas sobre a matéria, acabou por nunca reunir, realizando-se a votação na especialidade na quarta-feira, que foi a data apontada há cerca de duas semanas para que os deputados votassem.

Para a deputada do PSD Teresa Leal Coelho, esse grupo de trabalho nunca existiu, afirmando à Lusa que se realizaram apenas "contactos informais".

O presidente da comissão de Assuntos Constitucionais, Fernando Negrão (PSD), contactado pela Lusa remeteu quaisquer esclarecimentos para a coordenadora do grupo de trabalho, que referiu ser Teresa Leal Coelho, enquanto o deputado do PCP António Filipe confirmou à Lusa que o designado grupo de trabalho nunca chegou a reunir.

Na proposta que a maioria PSD/CDS-PP leva à votação é excluída a expressão "enriquecimento ilícito", mantendo-se as molduras penais, de três anos, para a generalidade das pessoas que incorram no crime, e de cinco anos, para os titulares de cargos políticos ou equiparados.

"Tentámos acolher as sugestões dadas durante as audições e aceitámos a sugestão bastante ampla de substituir a expressão enriquecimento ilícito para enriquecimento injustificado, porque podia levar à conclusão de que havia uma presunção de ilicitude, que foi um dos problemas já levantados pelo Tribunal Constitucional", disse à Lusa Teresa Leal Coelho.

Por outro lado, PSD e CDS-PP retiraram "todas as expressões que pudessem ser consideradas ambíguas ou indeterminadas".

Era o caso da expressão "fruir continuadamente", por exemplo.

Na formulação atual, é punido "quem por si ou por interposta pessoa, singular ou coletiva, adquirir, possuir ou detiver património incompatível com os seus rendimentos e bens declarados ou que devam ser declarados".

Na primeira versão, votada na generalidade, punia-se "quem por si ou por interposta pessoa, singular ou coletiva, obtiver um acréscimo patrimonial ou fruir continuadamente de um património incompatível com os seus rendimentos e bens declarados.

O BE tem dois projetos de lei sobre esta matéria, um para a "transparência dos titulares de cargos políticos e altos cargos públicos" e outro de "combate o enriquecimento injustificado", tal como o PCP, que também tem uma iniciativa legislativa relativa ao "enriquecimento injustificado".

O PS tem um projeto de lei de reforço do "regime de controlo dos acréscimos patrimoniais não justificados ou não declarados dos titulares dos cargos políticos e equiparados" e um projeto de lei que "reforça as incompatibilidades dos titulares de cargos políticos e altos cargos públicos".



Lusa
  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Proteção Civil aponta falhas do SIRESP, operadora diz que esteve à altura do fogo
    4:22
  • Temer pode cair menos de um ano depois da queda de Dilma
    3:06
  • Imagens do resgate de crianças feridas num bombardeamento na Síria
    2:00

    Mundo

    Os Estados Unidos acusam o regime sírio de estar a preparar um novo ataque químico e avisam Bashar al-Assad que vai pagar caro se o concretizar. No terreno, os ataques aéreos continuam a fazer vítimas civis. Da periferia de Damasco chegam imagens dramáticas do resgate de duas crianças feridas num bombardeamento.

  • Mulher atira moedas para o motor do avião por superstição

    Mundo

    As superstições levam as pessoas a fazer coisas bizarras e até, mesmo, perigosas. Este foi o caso de uma mulher chinesa que decidiu atirar moedas para o motor de um avião, para garantir boa sorte na viagem, que estava prestes a fazer. Contudo, a ação obrigou ao atraso do voo que partia de Xangai, numa companhia aérea chinesa.

  • Modelo italiana atacada com ácido volta ao trabalho

    Mundo

    Gessica Notaro, antiga concorrente do concurso Miss Itália, já regressou ao trabalho como treinadora de leões marinhos, cinco meses depois de ter sido atacada com ácido, alegadamento pelo ex-namorado, Jorge Edson Tavares. Gessica Notaro diz que quer inspirar e encorajar outras mulheres a lutar contra o assédio e o bullying nas relações.