sicnot

Perfil

Economia

Governo "frontalmente contra" relatório do FMI

A ministra das Finanças afirmou hoje que o Governo é "frontalmente contra" vários aspetos do relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI) conhecido na segunda-feira, considerando que apresenta "uma perspetiva muito enviesada" sobre esses assuntos.

© Rafael Marchante / Reuters

"O relatório do FMI tem uma perspetiva muito enviesada relativamente a uma série de matérias, com as quais frontalmente não concordamos. Muitas das visões são influenciadas por uma avaliação incorreta da realidade e [leva a uma] extrapolação de conclusões que o Governo não pode subscrever", afirmou hoje Maria Luís Albuquerque, na última audição regimental da legislatura na comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Administração Pública. 

Na segunda-feira, o FMI divulgou um relatório sobre Portugal ao abrigo do artigo IV, alertando que o crescimento económico pode estar comprometido pela fraca implementação de reformas estruturais e que permanecem riscos orçamentais, recomendando uma série de medidas, nomeadamente na área das pensões e no mercado de trabalho.

Entre as medidas sugeridas pelo Fundo está a suspensão das reformas antecipadas nos setores públicos e privado, o aumento das contribuições para a Caixa Geral de Aposentações (CGA), a redução do número de funcionários públicos e a limitação dos aumentos salariais automáticos e da progressão na carreira, entre outras.

Sem referir que medidas merecem a discordância do Governo, Maria Luís Albuquerque comparou este relatório com as avaliações do FMI durante o Programa de Ajustamento Económico e Financeiro: "A grande diferença é que nós hoje podemos discordar, porque conquistámos esse direito. Respeitamos, ouvimos, discutimos, mas temos o direito de discordar", disse.

O denominado artigo IV do FMI prevê que sejam feitas análises às economias dos membros do Fundo, geralmente todos os anos. A missão técnica do FMI esteve em Lisboa em março. 


  • FMI diz que aumento de 3,3% da eletricidade prejudica as famílias

    Economia

    O FMI acusa o Governo português de prejudicar as famílias ao permitir um aumento de 3,3% na electricidade. O relatório sobre as medidas tomadas depois do fecho do programa de assistência diz claramente que o Governo abandonou a regra de aumentos de apenas 1,5% sobre a inflação, que estava combinada com a troika.

  • FMI defende que preciso investimento público para "puxar" pelos privados

    Economia

    O FMI considera que é necessário mais investimento público em infraestruturas para puxar pelo investimento privado. No relatório de primavera o Fundo analisa as causas da quebra do investimento que se registou na maioria das economias mundiais nos últimos anos  e conclui que é sobretudo  o resultado de uma actividade económica muito fraca. No caso de Portugal, o fundo diz que o investimento registou, nos últimos sete anos, um investimento privado  30% mais baixo do que o próprio FMI previa. Portugal é um dos países em que a quebra foi mais acentuada, depois da Grécia, Irlanda e Espanha. 

  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45

    País

    Durante a abertura do ano judicial, a Procuradora-Geral da República e o presidente do Supremo Tribunal aproveitaram para deixar um recado à ministra da Justiça: é urgente aprovar o novo estatuto de juízes e magistrados. O presidente do Supremo diz que é injusta a má imagem da Justiça e pediu contenção aos magistrados.

  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21