sicnot

Perfil

Economia

Aumento recorde das desigualdes e empregos precários na OCDE

Mais de metade dos empregos criados nos últimos 18 anos são a tempo parcial, contratos a termo ou trabalho independente, conclui um estudo que analisa as desigualdades nos países da OCDE e em várias economias emergentes.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

O estudo, apresentado hoje em Paris, assinala também que a desigualdade nos rendimentos atingiu níveis recorde na maioria dos 34 países que integram a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE) e mantém-se em níveis ainda mais elevados em várias economias emergentes, como a China ou a Rússia.

Atualmente, na zona OCDE, os 10 por cento mais ricos têm rendimentos 9,6 vezes superiores aos 10 por cento mais pobres, proporção que era de 7,1 na década de 1980 e de 9,1 nos anos 2000.

O estudo sublinha ainda a necessidade de os países se preocuparem com as condições de trabalho, alertando para o aumento das pessoas que trabalham a tempo parcial, com contratos de duração limitada ou como trabalhadores independentes.

"Entre 1995 e 2013, mais de metade de todos os empregos criados nos países da OCDE eram de uma destas categorias. Os trabalhadores pouco qualificados com contratos temporários, em particular, têm rendimentos muito mais baixos e mais instáveis que os trabalhadores permanentes", adianta o estudo.

Os jovens são os mais afetados, com 40 por cento dos jovens a ocuparem um emprego atípico. Cerca de metade dos trabalhadores temporários têm menos de 30 anos.

Os jovens são também menos suscetíveis de passar de um trabalho temporário para um emprego permanente e estável.

"Atingimos um ponto crítico. As desigualdades nos países da OCDE nunca foram tão altas desde que há dados", disse o secretário-geral da OCDE, Angel Gurría, durante o lançamento do relatório.

"Os dados mostram que as fortes desigualdades prejudicam o crescimento. A ação política deveria ser motivada tanto por razões económicas como por razões sociais. Ao não atacarem o problema da desigualdade, os governos enfraquecem o tecido social e comprometem o crescimento económico a longo prazo", acrescentou.

O relatório assinala que o fenómeno da concentração de riqueza é ainda mais acentuado quando se fala de património imobiliário.

Em 2012, os 40% da população mais pobre tinha apenas três por cento do património imobiliário nos 18 países da OCDE para os quais existiam dados.

No outro extremo, os 10% dos mais ricos tinham metade do património e os um por cento mais ricos 18% do património.

A OCDE sublinha igualmente a necessidade de se fazer mais para reduzir as diferenças entre homens e mulheres.

O aumento do número de mulheres que trabalham contribuiu para limitar as desigualdades, ainda que a probabilidade de elas ocuparem um emprego remunerado seja inferior em cerca de 16% à dos homens.

Além do impacto sobre a coesão social, o estudo sublinha que a acentuação das desigualdades e as fracas oportunidades no mercado de trabalho prejudicam o crescimento económico ao longo prazo.

A desigualdade nos países da OCDE é mais marcada em países como o Chile, México, Turquia, Estados Unidos e em Israel e menos marcados na Dinamarca, Eslovénia, Eslováquia e Noruega.

Mantêm-se muito elevadas nas grandes economias emergentes, mas reduziram-se em alguns países, nomeadamente no Brasil.

Para reduzir as desigualdades e estimular o crescimento inclusivo, a OCDE recomenda aos governos que promovam a igualdade entre homens e mulheres em matéria de emprego, alarguem o acesso a melhores empregos e encoragem o reforço do investimento na educação e no reforço de competências ao longo da vida ativa.



Lusa

  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de cinco anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15

    Opinião

    José Gomes Ferreira diz que as pessoas que ateiam fogo nas florestas sabem "estudar os dias e o vento para arder o máximo possível". Em entrevista no Jornal da Noite, o diretor-adjunto de Informação da SIC, fala na importância de haver uma auditoria para tentar perceber o porquê de haver tantas ignições e saber se há alguém que ganhe com esta vaga de incêndios. 

    José Gomes Ferreira

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.