sicnot

Perfil

Economia

Aumento recorde das desigualdes e empregos precários na OCDE

Mais de metade dos empregos criados nos últimos 18 anos são a tempo parcial, contratos a termo ou trabalho independente, conclui um estudo que analisa as desigualdades nos países da OCDE e em várias economias emergentes.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

O estudo, apresentado hoje em Paris, assinala também que a desigualdade nos rendimentos atingiu níveis recorde na maioria dos 34 países que integram a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE) e mantém-se em níveis ainda mais elevados em várias economias emergentes, como a China ou a Rússia.

Atualmente, na zona OCDE, os 10 por cento mais ricos têm rendimentos 9,6 vezes superiores aos 10 por cento mais pobres, proporção que era de 7,1 na década de 1980 e de 9,1 nos anos 2000.

O estudo sublinha ainda a necessidade de os países se preocuparem com as condições de trabalho, alertando para o aumento das pessoas que trabalham a tempo parcial, com contratos de duração limitada ou como trabalhadores independentes.

"Entre 1995 e 2013, mais de metade de todos os empregos criados nos países da OCDE eram de uma destas categorias. Os trabalhadores pouco qualificados com contratos temporários, em particular, têm rendimentos muito mais baixos e mais instáveis que os trabalhadores permanentes", adianta o estudo.

Os jovens são os mais afetados, com 40 por cento dos jovens a ocuparem um emprego atípico. Cerca de metade dos trabalhadores temporários têm menos de 30 anos.

Os jovens são também menos suscetíveis de passar de um trabalho temporário para um emprego permanente e estável.

"Atingimos um ponto crítico. As desigualdades nos países da OCDE nunca foram tão altas desde que há dados", disse o secretário-geral da OCDE, Angel Gurría, durante o lançamento do relatório.

"Os dados mostram que as fortes desigualdades prejudicam o crescimento. A ação política deveria ser motivada tanto por razões económicas como por razões sociais. Ao não atacarem o problema da desigualdade, os governos enfraquecem o tecido social e comprometem o crescimento económico a longo prazo", acrescentou.

O relatório assinala que o fenómeno da concentração de riqueza é ainda mais acentuado quando se fala de património imobiliário.

Em 2012, os 40% da população mais pobre tinha apenas três por cento do património imobiliário nos 18 países da OCDE para os quais existiam dados.

No outro extremo, os 10% dos mais ricos tinham metade do património e os um por cento mais ricos 18% do património.

A OCDE sublinha igualmente a necessidade de se fazer mais para reduzir as diferenças entre homens e mulheres.

O aumento do número de mulheres que trabalham contribuiu para limitar as desigualdades, ainda que a probabilidade de elas ocuparem um emprego remunerado seja inferior em cerca de 16% à dos homens.

Além do impacto sobre a coesão social, o estudo sublinha que a acentuação das desigualdades e as fracas oportunidades no mercado de trabalho prejudicam o crescimento económico ao longo prazo.

A desigualdade nos países da OCDE é mais marcada em países como o Chile, México, Turquia, Estados Unidos e em Israel e menos marcados na Dinamarca, Eslovénia, Eslováquia e Noruega.

Mantêm-se muito elevadas nas grandes economias emergentes, mas reduziram-se em alguns países, nomeadamente no Brasil.

Para reduzir as desigualdades e estimular o crescimento inclusivo, a OCDE recomenda aos governos que promovam a igualdade entre homens e mulheres em matéria de emprego, alarguem o acesso a melhores empregos e encoragem o reforço do investimento na educação e no reforço de competências ao longo da vida ativa.



Lusa

  • "Há uma grande diferença em relação à anterior liderança do PSD"
    14:29

    País

    O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, esteve esta quarta-feira na Edição da Noite da SIC Notícias. As novas relações com o PSD e a reprogramação do Portugal 2020 foram alguns dos temas de conversa. Pedro Marques defende que existe "uma grande diferença" entre as lideranças de Passos Coelho e Rui Rio no PSD.

    Entrevista SIC Notícias

  • Dia de homenagens e muito futebol para Marcelo em São Tomé
    3:01

    País

    No segundo dia da visita de Estado a São Tomé e Príncipe, o Presidente da República prestou homenagem às vítimas do massacre de Batepá, em 1953. Marcelo Rebelo de Sousa não pediu desculpa pela história, mas lembrou que é preciso assumir as coisas menos boas do passado. O dia terminou com o Presidente a mostrar que ainda está em forma.

    Enviados SIC

  • Patinadora enfrenta "pesadelo" nos Olímpicos

    Desporto

    A patinadora Gabriella Papadakis enfrentou na segunda-feira um dos "piores pesadelos" da sua vida, durante a estreia nos Jogos Olímpicos de Inverno, em Pyeongchang, na Coreia do Sul. Durante a apresentação, a parte de cima do vestido da francesa saiu do lugar e revelou parte do seu seio. Mas este não foi o único caso de incidentes com figurinos. Também a sul-coreana Yura Min quase ficou despida durante a sua apresentação.

    SIC

  • Casal mantinha filhos trancados sem comida

    Mundo

    Se pensava que só existia uma casa dos horrores, a da família Turpin, desengane-se. A polícia de Tucson, no estado norte-americano do Arizona, deteve na terça-feira um casal que mantinha os quatro filhos adotivos trancados em quartos separados.

    SIC

  • Pigcasso, a porca pintora que tem uma galeria de arte

    Mundo

    O nome sugere o talento da artista que vive na Cidade do Cabo, na África do Sul. Pigcasso estava prestes a morrer, quando foi resgatada por uma ativista que a ajudou a enveredar pelo caminho da pintura. Desde pequena começou a pegar em pincéis e agora é o primeiro animal do mundo com uma galeria de arte, onde já lançou a sua primeira exposição intitulada 'Oink!'.