sicnot

Perfil

Economia

Associação Direito do Consumo admite impugnar tarifa de táxis em aeroportos

A Associação Portuguesa de Direito do Consumo (APDC) anunciou hoje que vai impugnar a tarifa de táxis em aeroportos se as negociações entre o Governo e as entidades do setor não incluírem as associações de defesa dos consumidores.

(SIC/Arquivo)

Segundo Mário Frota, presidente da APDC, a Lei de Defesa do Consumidor impõe que sempre que estiverem em causa transportes públicos é obrigatório que as associações de consumidores participem, ao lado do Estado e das associações do setor, na convenção que vier a ser aprovada.

"Não pode haver acordo na tarifa dos táxis sem a participação, e o aval dos consumidores através de quem os representa", afirma aquele especialista em direito do consumidor.

O presidente da APDC considera que as negociações em curso entre e a administração pública central e as associações de táxis são ilegais, porque não incluem "todos aqueles que, por força da lei em vigor, deveriam estar representados e fazer parte dela".

"Só com a presença dos consumidores através dos seus representantes haverá condições para produzir uma convenção que, para além de respeitar a lei, respeite também todos os interesses em presença - e não apenas os dos taxistas", sublinhou.

Mário Frota adverte que se for produzida alguma convenção sem envolver as associações de defesa dos consumidores "a APDC irá impugná-la nos tribunais".

A Associação Nacional de Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL) propôs uma tarifa única de 20 euros para as viagens de táxi que tenham início no aeroporto da Portela, em Lisboa, e distem menos 14,8 quilómetros, sendo que, a partir de 15 quilómetros, será aplicada a tarifa normal de 47 cêntimos por cada quilómetro percorrido.

Em declarações à agência Lusa, o secretário de Estado Leonardo Mathias explicou que o regime jurídico do setor, de 1998, estabelece que os preços dos táxis são definidos por convenção negociada anualmente entre a DGAE [Direção Geral das Atividades Económicas] e as associações do setor, a ANTRAL e a Federação Portuguesa do Táxi (FPT).

"A negociação relativamente ao ano de 2015 está neste momento em curso, foi apresentada uma proposta pela ANTRAL [Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros] e pela FPT que não mereceu a concordância da DGAE e aguardamos a contraproposta", disse.

Em dezembro, depois de ter tomado conhecimento da proposta que incluía a tarifa fixa de 20 euros, a APDC enviou à DGAE um parecer em que considerava a proposta "lesiva dos interesses económicos dos consumidores". 

"A DGAE nunca respondeu à APDC, mantendo-a afastada das negociações que prosseguem com a ANTRAL e a FPT, contrariando a lei", considera Mário Frota.

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.