sicnot

Perfil

Economia

Operários da Camac regressam ao trabalho após seis dias de greve

A laboração na unidade de pneus Camac, de Palmeira, Santo Tirso, retomou esta manhã após seis dias de paralisação para forçar a empresa a pagar remunerações em atraso, informou fonte sindical.

facebook.com/CamacPneus

Cerca de uma centena de operários, de um total de cerca de 130 trabalhadores, estiveram em greve desde o dia 15 até à última sexta-feira, reivindicando o pagamento do pagamento do mês de abril e do subsídio de Natal de 2014.

Em declarações à agência Lusa, o dirigente do sindicato SITE-Norte e trabalhador da Camac Manuel Gonçalves explicou que esta manhã os funcionários decidiram regressar ao trabalho, uma vez que a "promessa" de pagamento do mês de abril "foi cumprida ao longo do fim de semana".

"Hoje já vamos trabalhar porque cumpriram. Esperamos é que este episódio não se repita com o mês de maio. Temos medo que isso aconteça já que para arranjarem este já foi difícil e às pinguinhas", disse Manuel Gonçalves.

Quanto ao subsídio de Natal, o dirigente avançou ter "menos esperança" de que o pagamento esteja "em breve", uma vez que esse valor está incluído no Plano Especial de Revitalização (PER) que a empresa está a desenvolver.

O recurso à greve e paralisação nesta empresa não é inédito. Em julho do ano passado, cerca de uma centena de trabalhadores paralisou a produção também para exigir salários em atraso.



Lusa
  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.