sicnot

Perfil

Economia

PS avisa que não aceita cortes nem será parceiro da maioria

PS avisa que não aceita cortes nem será parceiro da maioria

O PS acusa o Governo de se querer esconder atrás dos socialistas para fazer uma poupança de 600 milhões de euros nas pensões. Depois de a ministra das Finanças ter insistido no apelo ao consenso, Vieira da Silva sublinha que os socialistas não vão ser parceiros da maioria.

  • Barroso diz que sustentabilidade das reformas depende dos imigrantes
    0:46

    Economia

    O ex-presidente da Comissão Europeia nos últimos 10 anos diz que a sustentabilidade das pensões e das reformas depende dos imigrantes e só se consegue sem xenofobia. Durão Barroso afirmou hoje, em Lisboa, que a Europa e Portugal precisam de pessoas que paguem as pensões dos mais velhos e a solução para resolver o problema demográfico está nos imigrantes.

  • "PS está a propor um rombo de 1850 milhões nas receitas da Segurança Social"
    4:15

    Economia

    O futuro da Segurança Social foi o tema de análise de José Gomes Ferreira, no Jornal da Noite, da SIC. A ministra das Finanças admitiu corte nas pensões, mas o CDS e o PSD dizem que não há propostas fechadas. O PS quer redução dos descontos e propõe perda de receita para compensar. Na opinião de José Gomes Ferreira, o "PS está a propor um rombo de 1850 milhões nas receitas da Segurança Social".

  • CGTP e UGT criticam corte nas pensões e mexidas na Taxa Social Única
    0:38

    Economia

    A UGT e a CGTP estão contra a descida da taxa social única, prevista no projecto de programa do PS. Os dirigentes das centrais sindicais defenderam hoje, em Lisboa, que a medida coloca em causa o financiamento da Segurança Social.O secretário geral da CGTP também criticou o Governo por fazer declarações contraditórias sobre um eventual corte nas pensões.

  • Como se sobrevive à dor em Nodeirinho e Pobrais
    2:43
  • Raphäel Guerreiro vai continuar a acompanhar a seleção
    1:08
  • 74 mil alunos do secundário têm a vida "suspensa" 
    2:22

    País

    Enquanto o Ministério Público investiga a fuga de informação no exame nacional de Português do 12.º ano, 74 mil estudantes ficam com a vida suspensa. Se a fuga se confirmar, o exame corre o risco de ser anulado e as candidaturas ao ensino superior atrasam. O Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), responsável pelos exames, prometeu esclarecimentos para os próximos dias.