sicnot

Perfil

Economia

PS avisa que não aceita cortes nem será parceiro da maioria

PS avisa que não aceita cortes nem será parceiro da maioria

O PS acusa o Governo de se querer esconder atrás dos socialistas para fazer uma poupança de 600 milhões de euros nas pensões. Depois de a ministra das Finanças ter insistido no apelo ao consenso, Vieira da Silva sublinha que os socialistas não vão ser parceiros da maioria.

  • Barroso diz que sustentabilidade das reformas depende dos imigrantes
    0:46

    Economia

    O ex-presidente da Comissão Europeia nos últimos 10 anos diz que a sustentabilidade das pensões e das reformas depende dos imigrantes e só se consegue sem xenofobia. Durão Barroso afirmou hoje, em Lisboa, que a Europa e Portugal precisam de pessoas que paguem as pensões dos mais velhos e a solução para resolver o problema demográfico está nos imigrantes.

  • "PS está a propor um rombo de 1850 milhões nas receitas da Segurança Social"
    4:15

    Economia

    O futuro da Segurança Social foi o tema de análise de José Gomes Ferreira, no Jornal da Noite, da SIC. A ministra das Finanças admitiu corte nas pensões, mas o CDS e o PSD dizem que não há propostas fechadas. O PS quer redução dos descontos e propõe perda de receita para compensar. Na opinião de José Gomes Ferreira, o "PS está a propor um rombo de 1850 milhões nas receitas da Segurança Social".

  • CGTP e UGT criticam corte nas pensões e mexidas na Taxa Social Única
    0:38

    Economia

    A UGT e a CGTP estão contra a descida da taxa social única, prevista no projecto de programa do PS. Os dirigentes das centrais sindicais defenderam hoje, em Lisboa, que a medida coloca em causa o financiamento da Segurança Social.O secretário geral da CGTP também criticou o Governo por fazer declarações contraditórias sobre um eventual corte nas pensões.

  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08