sicnot

Perfil

Economia

Passivo de 200 mil euros obriga Académica de Lisboa a pedir plano de revitalização

A Associação Académica de Lisboa (AAL) está sob Processo Especial de Revitalização (PER) para encontrar uma estratégia de pagamento aos credores e ultrapassar o passivo de cerca de 200 mil euros, mas que chegou a superar os 400 mil.

Em declarações à Lusa, o presidente da AAL, Diogo Duarte, disse que o PER está ativo desde 14 de maio e que foi a solução encontrada pela académica para assegurar a continuidade da organização estudantil, garantir liquidez à sua tesouraria e permitir qualquer atividade económica, uma vez que, devido ao passivo, as contas da AAL se encontravam penhoradas.

"O que pretendemos é revitalizar a AAL, que tem atravessado uma grande crise financeira ao longo dos últimos anos, recuperar as nossas contas, poder ter contas bancárias sem que sejam penhoradas e ter uma relação normal com os fornecedores", disse Diogo Duarte.

Segundo o presidente da AAL, as dívidas aos fornecedores representam apenas uma parte residual do grosso da dívida atual. A maioria -- 150 mil euros -- é devida ao Porto de Lisboa, em cujos terrenos a académica tem atualmente a sua sede, e à Câmara Municipal de Lisboa (CML).

Ao Porto de Lisboa os estudantes devem 100 mil euros pela utilização do espaço onde agora têm sede, e à CML outros 50 mil euros, relativos a rendas pela utilização do espaço de um edifício do Areeiro, onde funcionava a anterior sede da AAL.

Esta dívida à CML, referiu Diogo Duarte à Lusa, teria sido perdoada pelo executivo socialista de João Soares, mas, explicou, quando mudou o executivo camarário, por não haver "prova documental" desse perdão da dívida, os estudantes foram obrigados a assumir a dívida, que, no que diz respeito às rendas, tem um valor de 30 mil euros, sendo os restantes 20 mil respeitantes a juros de mora.

As dívidas da AAL, explicou Diogo Duarte à Lusa, foram-se acumulando por falta de liquidez para fazer face inclusivamente a despesas correntes.

O administrador do PER, nomeado judicialmente, funcionará ao longo dos próximos meses como mediador entre os estudantes e os credores, de forma a encontrar uma estratégia de pagamento de dívidas que, para ser viável e aceite, tem de ter o aval da maioria dos credores.

Depois de formuladas as propostas pela AAL, a académica e os credores irão então sentar-se à mesa para discutir o plano de pagamento. Da CML, disse Diogo Duarte à Lusa, os estudantes esperam "boa vontade política", para encontrar uma solução para os 50 mil euros em dívida.

O presidente da AAL afirmou que a académica "tem estado a reagir bem à situação de crise", referindo que, de um passivo de mais de 400 mil euros em 2012, a organização passou para uma dívida que poderá já estar abaixo dos 200 mil euros, de acordo com as contas da direção.

As principais fontes de receita da AAL são os grandes eventos festivos destinados aos estudantes, como a receção ao caloiro ou a semana académica.

A última receção ao caloiro teve um lucro de 10 mil euros, e a semana académica obteve um lucro de cerca de 100 mil euros, "um resultado histórico", segundo Diogo Duarte.

  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de cinco anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15

    Opinião

    José Gomes Ferreira diz que as pessoas que ateiam fogo nas florestas sabem "estudar os dias e o vento para arder o máximo possível". Em entrevista no Jornal da Noite, o diretor-adjunto de Informação da SIC, fala na importância de haver uma auditoria para tentar perceber o porquê de haver tantas ignições e saber se há alguém que ganhe com esta vaga de incêndios. 

    José Gomes Ferreira

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.