sicnot

Perfil

Economia

Portugal com maior subida de preços do gás doméstico na UE

Portugal cobrou, no ano passado, a segunda mais alta tarifa do gás para uso doméstico da União Europeia (UE), de 10,4 euros por 100 kWh (quilowatt-hora), e teve a maior subida de preços (11,4%), segundo revelou hoje o Eurostat.

© Steve Marcus / Reuters

De acordo com o gabinete oficial de estatísticas da UE, entre o segundo semestre de 2013 e o de 2014, Portugal registou a maior subida do preço do gás doméstico - 11,4% -, seguindo-se a Espanha (7,5%) e a França (4,5%), acima da média de 2,0% no conjunto dos Estados-membros.


A Lituânia (-18,6%), a Hungria (-13,0%), a Eslovénia (-10,7%), a Dinamarca (-10,3%) e a Grécia (-10,1%) tiveram as maiores quebras no preço do indicador.


O preço do gás doméstico foi de 7,2 euros por 100 kWh na UE, tendo a tarifa mais alta sido cobrada na Suécia (11,4 euros), seguindo-se Portugal (10,4 euros), a Espanha (9,6 euros) e a Itália (9,4 euros por 100 kWh).


Os impostos representam 23% do preço do gás doméstico em Portugal, em linha com a média europeia, sendo a Dinamarca -- com 61% - o Estado-membro que mais taxas cobra, seguindo-se a Roménia (51%) e a Holanda (42%).



Lusa
  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.