sicnot

Perfil

Economia

Tribunal de Contas poupou ao Estado perto de 350 milhões

O Tribunal de Contas (TdC) poupou aos cofres do Estado 349,5 milhões de euros. As contas são da própria instituição e constam do relatório de atividades  que contempla todas as auditorias, vistos prévios e controlos financeiros realizados no ano passado, já com novas regras para o financiamento das autarquias e um novo regime para o fundo de apoio municipal. Uma importante fatia destes 349,5 milhões de euros resulta de vistos, de verificações de legalidade de atos ou contratos públicos avaliados pelo tribunal liderado por Guilherme de Oliveira Martins. 

© Russell Boyce / Reuters

Outra parte importante - mais de 70 milhões - resulta do cancelamento de contratos ou redução dos valores contratuais, considerados lesivos para o Estado, mais as multas que valeram quase 780 mil euros por infrações e incumprimento das normas legais, detetados pelo tribunal que verifica como são usados os dinheiros públicos. 

 

Vinte e três participações ao Ministério Público em 2014 
 

De acordo com o relatório, das 23 participações efetuadas pelo TdC, 12 foram apresentadas junto da Procuradoria-Geral da República, quatro ao Departamento de Investigação e Ação Penal, uma ao Tribunal Central Administrativo do Norte, uma ao Tribunal Central Administrativo de Circulo de Lisboa, uma ao Tribunal Administrativo e Fiscal de Sintra e uma ao Tribunal Arbitral. 

 
 

"Não foi efetuada a participação de acórdãos do Tribunal de Contas", refere o documento. 

 
 

No âmbito do controlo de órgãos internos, em 2014 foram recebidos 81 relatórios, nomeadamente, da Inspeção-Geral de Finanças, da Inspeção-Geral das Atividades em Saúde, da Inspeção-Geral de Defesa Nacional, da Inspeção-Geral da Educação e Ciência e da Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território. 

 
 

"As participações, exposições, queixas e denúncias recebidas no Tribunal são analisadas e, sempre que tenham factualidade pertinente dão origem ao desenvolvimento das diligências consideradas necessárias, podendo levar à realização de ações de fiscalização por parte do Tribunal", lê-se no documento da instituição. 

 
 

Os contratos de fornecimentos e de aquisições de serviços constituem a maioria dos processos objeto de controlo, com 31,9% e 28,5%, respetivamente, representando igualmente os contratos de empreitada uma parte significativa, com 23%. 

 
 

Em termos globais, o número de processos aumentou em 2014, confirmando a tendência verificada no ano anterior, continuando igualmente a registar-se um número acentuado de decisões de visto com recomendações (26%), segundo o relatório. 

 
 

No que se refere ao volume financeiro dos processos objeto de controlo, verifica-se que o maior valor respeita aos processos provenientes da Administração Local (34,8%), seguido do Setor Público Empresarial (30,2%). 

 
 

Quando comparado com o ano anterior, verifica-se uma diminuição do volume financeiro controlado na ordem dos 35%, confirmando a tendência de decréscimo constatada no ano transato, embora o número de processos tenha aumentado, destaca o documento. 

 
 

Já o valor dos processos objeto de recusa de visto representa 6,7% do volume financeiro controlado, mantendo-se em níveis idênticos aos verificados no ano anterior.



Com Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.