sicnot

Perfil

Economia

INE revê crescimento do PIB em alta no 1º trimestre

O Instituto Nacional de Estatística (INE) reviu hoje em alta as suas estimativas de crescimento da economia portuguesa no primeiro trimestre, para 1,5%, face à anterior previsão de 1,4%.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Comparativamente com o trimestre anterior, o PIB aumentou 0,4% em termos reais, com o contributo positivo da procura interna, refletindo o crescimento do investimento e do consumo privado, enquanto o contributo da procura externa líquida foi negativo. 

As Contas Nacionais trimestrais do INE hoje divulgadas estão em linha com o objetivo do Governo de um PIB de 1,6% em 2015.

Há cerca de quinze dias, o INE divulgou uma estimativa rápida das Contas Nacionais do primeiro trimestre de 2015, avançando que o PIB tinha crescido 1,4% em termos homólogos e 0,4% em cadeia.

A previsão é agora corrigida em alta, com o PIB a registar uma variação homóloga de 1,5%, que compara com a taxa de 0,6% observada no trimestre anterior.

A procura externa líquida apresentou um contributo nulo para esta variação, após um contributo negativo de um ponto percentual no trimestre anterior, resultante da aceleração das exportações de bens e serviços e do abrandamento das importações de bens e serviços em volume.

A procura interna desacelerou ligeiramente no primeiro trimestre, passando a ter um contributo de 1,5 pontos percentuais, contra 1,6 pontos percentuais no quarto trimestre de 2014.

A desaceleração da procura interna deveu-se à evolução do investimento, que tinha crescido 3,5% no quarto trimestre e apresentou uma variação nula no trimestre em análise.

O consumo privado acelerou, com um crescimento homólogo de 2,5% no primeiro trimestre, que compara com 2% no trimestre anterior.

A componente de bens não duradouros e serviços apresentou a variação mais expressiva, passando de 1,1% no quarto trimestre para 1,5% nos primeiros três meses de 2015, enquanto a componente de bens duradouros continuou a registar um crescimento acentuado (14,4% face a 13,2%), refletindo as despesas com a aquisição de automóveis.

O consumo público apresentou uma variação negativa de 0,5%, menos acentuada do que o trimestre anterior (-1%).

As exportações de bens e serviços aceleraram para 6,8%, face aos 4,9% observados no trimestre anterior, enquanto as importações abrandaram, registando um aumento homólogo de 6,6%, que compara com os 7,4% do quarto trimestre.


Lusa
  • Paula Brito e Costa continua a trabalhar na Raríssimas

    País

    Depois de ter apresentado a demissão do cargo de presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa mantém-se a exercer funções na associação, apurou a SIC. Identifica-se agora como diretora-geral e já comunicou isso mesmo a alguns funcionários.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.