sicnot

Perfil

Economia

Vendas de automóveis subiram 31,4% em maio

As vendas de automóveis em Portugal cresceram 31,4% em maio, para 21.053 unidades, em relação a igual mês de 2014, informou hoje a Associação Automóvel de Portugal (ACAP).

© Alkis Konstantinidis / Reuter

De acordo com uma nota de imprensa da ACAP, nos primeiros cinco meses deste ano as vendas de automóveis, ligeiros e pesados, totalizaram as 92.605 unidades, mais 30,3% em relação a idêntico período do ano passado.

A associação refere, no entanto, que "apesar do crescimento homólogo que tem vindo a ser registado, o volume de vendas observado no mês de maio continua a situar-se abaixo da média dos últimos quinze anos (menos 7,7%)".

As vendas de automóveis ligeiros de passageiros aumentaram em maio, em termos homólogos, 33,1%, para um total de 18.343, enquanto no conjunto dos cinco primeiros meses deste ano cresceram 32,5% para 79.585 unidades.

Em maio, foram vendidos 2.403 veículos comerciais ligeiros, o que representa uma subida de 16,8% face a idêntico mês do ano passado, enquanto nos primeiros cinco meses do ano se verificou um acréscimo nas vendas de 16,6%, para um total de 11.490.

As vendas de veículos pesados cresceram 66,8% em maio, para 307 unidades, face a idêntico mês do ano passado, enquanto em termos acumulados registaram um acréscimo de 31,3% para 1.530.

Lusa
  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.