sicnot

Perfil

Economia

Impasse na Grécia com bolsas europeias a negociarem mistas

As bolsas na Europa estão hoje a negociar mistas, perante o impasse das negociações entre a Grécia e os seus credores.

Francisco Seco

Pelas 8:15 horas em Lisboa, o índice Euro Stoxx subia 0,12% para 3.575,04 pontos.

Os líderes da Alemanha e da França, bem como os presidentes do Fundo Monetário Internacional (FMI), da Comissão Europeia e do Banco Central Europeu (BCE) falaram na segunda-feira à noite por videoconferência para preparar "um esboço de oferta" para apresentar à Grécia nos próximos dias. 

Os analistas do BPI consideram que esta reunião "é o reconhecimento de que as negociações ao nível técnico não estão a avançar ou estão a progredir muito modestamente", enquanto outros analistas admitem que a negociação a nível político será "muito importante".

Na segunda sessão da semana, as praças europeias seguiam com Milão, Londres e Paris a caírem 0,14%, 0,44% e 0,06%, respetivamente, ao passo que Madrid e Frankfurt subiam 0,18% e 0,19%, pela mesma ordem.

O impasse nas negociações com a Grécia tem originado alguma volatilidade nos mercados bolsistas, segundo analistas citados pela agência de informação financeira Bloomberg, o que está a fazer com que os investidores se estejam a proteger para um cenário negativo.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.