sicnot

Perfil

Economia

OCDE apela para investimento que crie empregos e permita "crescimento verde"

O secretário-geral da OCDE, Angel Gurria, apelou hoje para uma reorientação dos investimentos, para que privilegiem não só a criação de empregos com um modelo social com menos injustiças, mas também um "crescimento verde".  

"Está na altura de criar a nova economia" para a qual é preciso "imaginar novas lógicas, novos incentivos, novas regulamentações" que "dignifiquem o modelo", sublinhou Angel Gurria, recentemente eleito para mais cinco anos à frente da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), na abertura do fórum da organização que precede a reunião ministerial anual da mesma. 

Gurria recordou que, apesar da recuperação, continua a haver no mundo mais de 200 milhões de pessoas desempregadas, mais 30 milhões do que no início da crise, e que as desigualdades alcançaram níveis sem paralelo desde que existem estudos internacionais. 

O rendimento médio de 20% da população mais rica representa 20 vezes o dos 20% mais pobres, quando há uma geração esta relação era de 7, 8 vezes, sublinhou. 

"Essa desigualdade converteu-se num obstáculo para o crescimento", advertiu o ex-ministro mexicano, que dedicou boa parte da intervenção ao que é um dos temas 'estrela' do fórum, os desafios, também económicos, das alterações climáticas causadas pelo aquecimento global. 

Gurria insistiu que "os investimentos não podem ignorar as alterações climáticas" e que se têm de estabelecer "incentivos mais inteligentes", especialmente porque os setores da "economia verde" precisam de investimentos a longo prazo. 

A ministra da Ecologia francesa, Ségolène Royal, defendeu uma aposta no envolvimento do setor privado com o setor público neste objetivo. 

"Entramos num mundo novo em que os interesses das empresas e do sistema financeiro convergem com os interesses do planeta", afirmou Royal, antes de sublinhar que isso requer "regulamentações" para garantir "uma justiça climática" que reduza a exposição aos riscos climáticos dos mais vulneráveis. 

Royal lidera a delegação de França que este ano preside às negociações com vista ao alcance de um acordo global sobre as alterações climáticas na cimeira que decorrerá no final do ano em Paris. 


Lusa
  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.