sicnot

Perfil

Economia

Deco preocupada com aumento do crédito ao consumo e endividamento das famílias

A Deco manifestou hoje "alguma preocupação" com o aumento do crédito ao consumo, que regressou aos níveis de 2011, devido ao grande endividamento das famílias e às "muitas dificuldades" que ainda enfrentam. 

© Hugo Correia / Reuters

O jornal Público avança na edição de hoje que o montante dos novos créditos ao consumo concedidos aos particulares regressou em março a valores próximos dos registados no início de 2011, poucos meses antes da entrada da troika. 

Os dados mais recentes do Banco de Portugal, relativos a março, mostram que nesse mês foram atribuídos empréstimos no valor de 272 milhões de euros, neste segmento

Em declarações à agência Lusa, a coordenadora do Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado (GAS) da Deco, Natália Nunes, disse ver estes dados com "alguma preocupação", porque "é reconhecido que as famílias têm uma taxa de endividamento bastante elevada" e continuam confrontadas com muitas dificuldades.

O facto de estarem a assumir mais créditos, "nomeadamente crédito ao consumo, pode ser visto como algo preocupante", sustentou Natália Nunes.

"Apesar de estes números hoje conhecidos poderem antever que há uma melhoria da situação das famílias, por isso estão a recorrer mais ao crédito, os dados que temos do GAS permitem-nos afirmar o contrário", disse a responsável.

Segundo Natália Nunes, o número de famílias que pediu ajuda este ano à associação de defesa do consumidor (cerca de 7.500 ) é semelhante ao de 2014 e "em número muito superior ao verificado em 2012 e 2013".

No primeiro trimestre deste ano, 30% dos casos abertos pelo GAS foram motivados pelo desemprego e pela deterioração da situação profissional, 8% devido a divórcio/separação, 12% devido a penhora, 10% por causa da alteração do agregado familiar, 7% por doença e 3% fiadores.

Estas famílias "continuam sem capacidade de conseguir recuperar financeiramente a sua situação", lamentou.

Natália Nunes apelou aos portugueses que ponderem antes de fazer um crédito para evitar "dissabores no futuro", aconselhando-os a "olhar para as prestações que já têm com crédito".

"Se essas prestações já tiverem um peso de 35% a 40% no seu rendimento mensal devem aguardar e não devem contratar crédito", explicou.

A coordenadora do GAS observou que um dos efeitos que esta crise teve foi o de "alertar as pessoas para a necessidade de terem alguns cuidados no recurso ao crédito". "Acreditamos que o estão a fazer de forma mais responsável", declarou.

Essa responsabilidade estende-se às instituições de crédito, que têm sido "mais restritivas na concessão de créditos por causa dos níveis do crédito malparado".

Os dados divulgados pelo Público referem que, face a 2014, o ritmo de crescimento dos empréstimos continua a ser acelerado (30,7%), impulsionado pelo segmento do crédito automóvel.

O jornal adianta que "os bancos estão a antecipar um aumento da procura de crédito, não apenas pelas empresas, mas também pelos particulares, apesar de a maioria dizer que vai manter os critérios de concessão dos empréstimos, que ficaram mais apertados nos últimos anos".


Lusa
  • Pedrógão e o Governo das culpas dos outros

    Opinião

    Depois das revelações do ‘Expresso’ e do ‘i’, o primeiro-ministro e os ministros saíram à rua com uma estratégia muito bem definida: desmentir a existência de listas secretas e centrar as atenções no Ministério Público. Ao mesmo tempo, nas redes sociais, está em curso (mais) uma campanha contra os jornalistas. Os anónimos, com cartão de militante, que escrevem nessas páginas acusam os jornais das “mais rebuscadas teorias da conspiração”. Nada de novo portanto.

    Bernardo Ferrão

  • "A verdadeira questão são as imagens com que abrimos o Jornal, é um país que está a arder"
    2:52

    Opinião

    A polémica em torno do número de vítimas da tragédia de Pedrógão Grande esteve em análise no Jornal da Noite. Miguel Sousa Tavares diz não compreender "que se faça disto uma questão política" e reitera que o foco deve centrar-se nas imagens de "um país que está a arder". O comentador SIC afirma ainda que "64 mortos num incêndio é um escândalo, um número absurdo".

    Miguel Sousa Tavares

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • Quase mil bombeiros combatem chamas na Sertã
    1:37

    País

    O incêndio que deflagrou no domingo, na Sertã, concelho de Castelo Branco, ainda não foi extinto. Perto de mil homens combatem as chamas no terreno, apoiados por 10 meios aéreos. O fogo tem frentes em Mação e Proença-a-Nova.

  • Proteção Civil acusada de gestão errática no incêndio de Mação
    1:26

    País

    O comandante dos Bombeiros de Constância e o vice-Presidente da Liga dos Bombeiros acusam a Proteção Civil de desviar meios do fogo de Mação, em Santarém, que eram essenciais para travar o incêndio. As chamas desceram da Sertã e acabaram por queimar uma casa de habitação.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • "A Minha Outra Pátria": o drama da Venezuela no Jornal da Noite
    2:12
  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.