sicnot

Perfil

Economia

Frigoríficos comprados em Portugal consomem mais energia

O consumo energético dos frigoríficos vendidos em Portugal está acima da média europeia, devido à mais baixa eficiência, mas, em 10 anos, os custos destes equipamentos desceram 22%, concluiu um estudo internacional hoje divulgado.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© HANNIBAL HANSCHKE / Reuters

"Nos frigoríficos, o consumo de energia caiu 25% em 10 anos na União Europeia (UE), mas Portugal tem valores anuais bem acima da média" registada na Europa, e os portugueses "escolhem mal" quando compram estes aparelhos, refere um trabalho desenvolvido pelo projeto TopTen, que tem a participação da Quercus, pela ADEME (agência do ambiente francesa) e pela organização internacional de defesa do ambiente WWF Suíça.

O estudo analisou os 25 países da UE entre 2004 e 2014, e comparou Portugal e França, retratando as escolhas dos consumidores em termos de eficiência energética de eletrodomésticos, como frigoríficos ou máquinas de lavar roupa, e pretendeu demonstrar "a importância da monitorização do mercado na avaliação das políticas".  

Também foram comparadas máquinas de lavar roupa e, em Portugal, apesar de estas serem mais eficientes, "têm um consumo energético médio maior que em França, por serem de maior capacidade", e secadores de roupa, área em que as vendas de aparelhos eficientes atingiram apenas 32%, menos que a média europeia (de 42%).    

Numa década, o total dos custos para os consumidores, que inclui o preço de compra do frigorífico e a eletricidade, desceu 13%, para 985 euros, na UE, enquanto em Portugal a redução atingiu 22%.

Quanto ao consumo de energia, o trabalho aponta que os aparelhos de frio vendidos em Portugal consomem mais 15 quilowatts por hora e por ano relativamente à média europeia.

A principal razão para esta diferença relaciona-se com "uma menor eficiência energética e, provavelmente, com a maior dimensão dos compartimentos de congelação", explica o documento.

Os ambientalistas salientam que o aumento da eficiência dos frigoríficos pode ainda assegurar "um grande potencial" de poupança de eletricidade para a Europa.

Se em 2014, se tivessem vendido frigoríficos de classe A++ em vez de classe inferior, "Portugal teria conseguido uma poupança acrescida de 194 gigawatts por hora (GWh)" ao longo da vida útil destes eletrodomésticos.

Acerca das máquinas de lavar roupa, o estudo não encontrou qualquer "correlação clara" entre as classes de eficiência e o baixo consumo de energia.

"Apesar de serem mais eficientes, as máquinas de lavar portuguesas têm um consumo energético médio maior do que as máquinas vendidas na UE e na França e a razão é serem de maior capacidade".

Em 2014, três anos após a introdução da nova etiqueta, cerca de metade das máquinas de lavar roupa vendidas eram de classe energética superior (A+++) e os ambientalistas defendem ser necessário definir novas e melhores classes de eficiência na etiqueta energética e rever a fórmula de cálculo utilizada.

O estudo considera que, atualmente, "tudo indica que as máquinas de lavar são mais eficientes por serem maiores e não porque consumirem menos energia".

O mercado dos secadores de roupa na UE é caracterizado pela alta eficiência, segundo a análise internacional, e as bombas de calor permitem consumir menos metade da energia que os equipamentos convencionais.

Em Portugal, este tipo de equipamentos tem uma procura baixa devido ao clima, mas, se todos os aparelhos vendidos fossem de classe energética A+ ou superior, seria obtida uma "poupança acrescida de 90 GWh, considerando o total do seu tempo médio de vida", garante o documento. 

O preço de um equipamento com bomba de calor é 64% mais alto que secadores de classe B (menos eficientes), porém, apesar dos preços de compra mais elevados, aqueles "compensam o investimento inicial, quando se consideram os custos totais", ou seja, o preço de compra e os custos de eletricidade.




Lusa

  • Eletrodomésticos que comunicam
    8:09

    Futuro Hoje

    Na época que se aproxima as máquinas vão falar entre si e até os electrodomésticos vão conseguir falar com os seres humanos. OFuturo Hoje foi ver os frigoríficos e máquinas de lavar que se podem controlar até mesmo fora de casa.

  • Eletrodomésticos eficientes
    2:57

    Economia Verde

    Nas nossas casas, é possível tomar medidas de eficiência energética, que nos permitem poupar na fatura de eletricidade e proteger o ambiente. Para tal, basta escolher os electrodomésticos tendo em conta a classe de eficiência energética. Já existe uma vasta escolha de marcas e modelos de frigoríficos e máquinas de lavar a loiça e roupa, com muito bom desempenho energético no mercado português, e há informação disponível no site TopTen.

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.