sicnot

Perfil

Economia

Hoteleiros de Lisboa e Algarve otimistas para junho

As perspetivas dos hoteleiros lisboetas quanto ao mês de junho apontam para resultados superiores aos do ano passado, concluiu um inquérito da Associação de Hotéis de Portugal (AHP), que prevê também boas taxas de ocupação no Algarve. 

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

De acordo com os resultados do mais recente Future Monitor, realizado em maio pela AHP, os hotéis em Lisboa esperam registar "uma melhor performance este ano", face ao ano passado, indicou à Lusa a presidente da direção executiva da associação, Cristina Siza Vieira. 

 
 

Dos 34 hotéis consultados na cidade de Lisboa, 75% responderam de forma positiva quando questionados se esperam uma ocupação superior a 50% entre os dias 01 e 19 de junho. Em causa estão as reservas efetivas.  

 
 

Em 2014, as expectativas a este nível só se faziam sentir "apenas na primeira semana do mês de junho", notou a responsável da AHP. 

 
 

Nos restantes dias do mês, as previsões de uma ocupação superior a 50% baixam para cerca de metade dos hoteleiros lisboetas consultados pela associação -- com exceção do fim de semana de 25 e 26 de junho, em que as expectativas são superiores, "o que deverá estar relacionado com a realização de congressos", acredita Cristina Siza Vieira. 

 
 

Quanto ao Algarve, onde o Future Monitor se começou a realizar apenas este ano, as respostas ao inquérito realizado junto de um painel de hoteleiros da região dão "uma indicação excelente" quanto à ocupação esperada para junho, adiantou a presidente da direção da AHP. 

 
 

Assim, das 25 unidades hoteleiras inquiridas sobre se preveem uma ocupação superior a 50% para o mês de junho, com base em reservas efetivas, "75% deram resposta positiva".  

 
 

O resultado é ainda superior para os períodos de 11 a 13 de junho e de 26 a 28 de junho, quando 100% dos hoteleiros inquiridos na região algarvia esperam ter mais de metade dos seus estabelecimentos ocupados por turistas, destacou Cristina Siza Vieira.  

 
 

O dia 10 de junho, quarta-feira, é feriado do Dia de Portugal, enquanto o feriado lisboeta de 13 de junho se realiza este ano num sábado. 

 
 

Quanto à cidade do Porto, os resultados obtidos este ano mantêm-se "estáveis" face aos do mesmo período, no ano passado, explicou a mesma responsável.  

 
 

Para a primeira semana do mês, entre 01 e 07 de junho, mais de 75% dos 14 hoteleiros portuenses que constam do painel de inquiridos prevê os seus hotéis ocupados a mais de metade -- resultado que a diretora-geral da AHP atribui à realização do festival de música NOS Primavera Sound, entre os dias 04 e 06 de junho.  

 
 

Nas semanas seguintes do mês, esta expectativa baixa para cerca de metade dos hoteleiros inquiridos na cidade do Porto. Isto com exceção do período de 11 a 13 de junho, em que as respostas voltam a ser positivas em mais de 75% dos casos.  

 
 

O Future Monitor é realizado regularmente pela AHP, através de respostas de painéis de inquiridos representativos das unidades hoteleiras em cada uma das três zonas do país onde se realiza.



Lusa

  • Como não perder Barack e Michelle Obama nas redes sociais

    Mundo

    Sair da Casa Branca implica mais que reunir objetos físicos: é preciso guardar também os tweets, os posts e todo o conteúdo digital produzido nos últimos oito anos pelo Presidente dos EUA e pela primeira-dama. A equipa de Barack Obama já preparou tudo para que nada se perca do seu legado digital.

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.