sicnot

Perfil

Economia

Hoteleiros de Lisboa e Algarve otimistas para junho

As perspetivas dos hoteleiros lisboetas quanto ao mês de junho apontam para resultados superiores aos do ano passado, concluiu um inquérito da Associação de Hotéis de Portugal (AHP), que prevê também boas taxas de ocupação no Algarve. 

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

De acordo com os resultados do mais recente Future Monitor, realizado em maio pela AHP, os hotéis em Lisboa esperam registar "uma melhor performance este ano", face ao ano passado, indicou à Lusa a presidente da direção executiva da associação, Cristina Siza Vieira. 

 
 

Dos 34 hotéis consultados na cidade de Lisboa, 75% responderam de forma positiva quando questionados se esperam uma ocupação superior a 50% entre os dias 01 e 19 de junho. Em causa estão as reservas efetivas.  

 
 

Em 2014, as expectativas a este nível só se faziam sentir "apenas na primeira semana do mês de junho", notou a responsável da AHP. 

 
 

Nos restantes dias do mês, as previsões de uma ocupação superior a 50% baixam para cerca de metade dos hoteleiros lisboetas consultados pela associação -- com exceção do fim de semana de 25 e 26 de junho, em que as expectativas são superiores, "o que deverá estar relacionado com a realização de congressos", acredita Cristina Siza Vieira. 

 
 

Quanto ao Algarve, onde o Future Monitor se começou a realizar apenas este ano, as respostas ao inquérito realizado junto de um painel de hoteleiros da região dão "uma indicação excelente" quanto à ocupação esperada para junho, adiantou a presidente da direção da AHP. 

 
 

Assim, das 25 unidades hoteleiras inquiridas sobre se preveem uma ocupação superior a 50% para o mês de junho, com base em reservas efetivas, "75% deram resposta positiva".  

 
 

O resultado é ainda superior para os períodos de 11 a 13 de junho e de 26 a 28 de junho, quando 100% dos hoteleiros inquiridos na região algarvia esperam ter mais de metade dos seus estabelecimentos ocupados por turistas, destacou Cristina Siza Vieira.  

 
 

O dia 10 de junho, quarta-feira, é feriado do Dia de Portugal, enquanto o feriado lisboeta de 13 de junho se realiza este ano num sábado. 

 
 

Quanto à cidade do Porto, os resultados obtidos este ano mantêm-se "estáveis" face aos do mesmo período, no ano passado, explicou a mesma responsável.  

 
 

Para a primeira semana do mês, entre 01 e 07 de junho, mais de 75% dos 14 hoteleiros portuenses que constam do painel de inquiridos prevê os seus hotéis ocupados a mais de metade -- resultado que a diretora-geral da AHP atribui à realização do festival de música NOS Primavera Sound, entre os dias 04 e 06 de junho.  

 
 

Nas semanas seguintes do mês, esta expectativa baixa para cerca de metade dos hoteleiros inquiridos na cidade do Porto. Isto com exceção do período de 11 a 13 de junho, em que as respostas voltam a ser positivas em mais de 75% dos casos.  

 
 

O Future Monitor é realizado regularmente pela AHP, através de respostas de painéis de inquiridos representativos das unidades hoteleiras em cada uma das três zonas do país onde se realiza.



Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11