sicnot

Perfil

Economia

Montepio confirma José Félix Morgado como novo presidente executivo

José Manuel Félix Morgado aceitou o convite para ser proposto para a presidência do Conselho de Administração Executivo da Caixa Económica Montepio Geral, informou a instituição em comunicado colocado na página da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.  

José Manuel Félix Morgado

José Manuel Félix Morgado

No texto, divulgado ao final da noite de terça-feira, a Caixa Económica Montepio Geral informou que "José Manuel Félix Morgado aceitou o convite que lhe foi dirigido pelo Conselho de Administração do Montepio Geral -- Associação Mutualista, para ser proposto como Candidato à presidência do Conselho de Administração Executivo da referida Caixa Económica". 

Este convite, acrescenta o comunicado, foi formulado na sequência da assembleia-geral realizada a 26 de maio de 2015, no âmbito da qual foi aprovada a modificação dos estatutos da Instituição. 

Esta reunião aprovou uma alteração de estatutos que permite separar os órgãos de administração do banco e da associação mutualista. 

"A modificação aprovada teve por propósitos, por um lado, alterar a política de governo da instituição ao proceder à eliminação de cargos por inerência, tornando-a totalmente independente do Montepio Geral - Associação Mutualista, e por outro lado, introduzir nos estatutos modificações decorrentes do novo Regime Geral das Instituições Financeiras, designadamente através da consagração da existência de diversos comités com competência especializada", informou na altura o Montepio.

Atualmente, Tomás Correia preside os Conselhos de Administração do banco e da associação mutualista, um cenário que se vai alterar em breve, com o responsável a ficar exclusivamente na liderança da segunda entidade.

Com esta alteração dos estatutos será ajustado o modelo de funcionamento da CEMG à última versão da lei europeia bancária, que obriga a uma separação entre a gestão executiva do Montepio, os órgãos sociais e os acionistas. 

Tomás Correia, que anunciou que se vai candidatar a um novo mandato à frente da associação mutualista (o atual termina no final do ano) já afirmou várias vezes que tinha quatro nomes em cima da mesa para assumir o cargo, mas nunca revelou as identidades em questão. 

Fernando Teixeira dos Santos era o nome apontado pela imprensa como a mais forte hipótese para assumir a presidência executiva do Montepio, algo que caiu em definitivo a 26 de maio, depois de o antigo ministro das Finanças ter dito publicamente que, "depois de prolongada reflexão", decidiu não aceitar o convite. 

A 27 de maio, o governador do Banco de Portugal afirmou no parlamento que as alterações no Montepio Geral "vão no bom sentido", segundo o que lhe foi apresentado e tornado público na Comunicação Social. 

O governador referia-se alegadamente a notícias de vários órgãos de comunicação social que davam o nome de José Félix Morgado como o candidato principal a presidente do banco Montepio, após a desistência de Teixeira dos Santos.

Entretanto, na terça-feira, a situação do Montepio Geral, noticiada pela comunicação social, motivou um conjunto de clientes, investidores, beneficiários e associados a criar hoje a "Associação Salvem o Pelicano", disse o seu presidente, Luís Varennes, à agência Lusa.  

"Em consequência de notícias que têm saído na comunicação social, existe um ambiente de alguma preocupação entre associados, investidores, clientes do Montepio", justificou, explicando que o objetivo destes envolvidos na esfera do Montepio agora é o falar com as autoridades, assim como "defender os legítimos interesses patrimoniais dos seus associados em relação ao Montepio Geral e assim preservar o futuro, a idoneidade e a credibilidade do Montepio Geral".



Com Lusa

  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de cinco anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15

    Opinião

    José Gomes Ferreira diz que as pessoas que ateiam fogo nas florestas sabem "estudar os dias e o vento para arder o máximo possível". Em entrevista no Jornal da Noite, o diretor-adjunto de Informação da SIC, fala na importância de haver uma auditoria para tentar perceber o porquê de haver tantas ignições e saber se há alguém que ganhe com esta vaga de incêndios. 

    José Gomes Ferreira

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.