sicnot

Perfil

Economia

PS quer proibir inspeções do fisco sistemáticas a contribuintes e empresas cumpridoras

O PS quer proibir inspeções tributárias sucessivas e permanentes a pessoas singulares e a pequenas e médias empresas (PME) e pretende nos próximos anos levar a rede sem fios nacional a territórios de baixa densidade populacional.

(SIC/ Arquivo)

(SIC/ Arquivo)

Estas são duas medidas que constam da versão definitiva do programa eleitoral do PS, que será votada no sábado, numa Convenção Nacional que se realiza no Coliseu dos Recreios, em Lisboa.

Em relação à rede nacional de "hotspot", os socialistas pensam concretizá-la ao longo de toda a legislatura (admitindo mesmo que possa passar para além de 2019) e o objetivo é promover a "competitividade e a qualidade de vida das regiões do interior" de Portugal, numa ação de cooperação com os municípios e com os operadores do mercado de telecomunicações nacional.

Já a ideia de proibir inspeções sistemáticas do fisco a contribuintes singulares e PME tem por objetivo "melhorar a justiça fiscal" e proteger os contribuintes com um percurso de cumprimento, evitando-se tratamentos classificados como "desproporcionados" pela máquina fiscal.

A versão final do programa eleitoral do PS apresenta ainda um conjunto de medidas para aumentar a capacidade de investimento das empresas, sobretudo das tecnológicas - as 'start-ups' - e outras microempresas.

Desta forma, o PS promete "facilitar e reforçar a concessão de incentivos fiscais ao investimento, alargando o universo de investimentos elegíveis para crédito fiscal automático de 25% no âmbito do Regime Fiscal de Apoio ao Investimento (RFAI).

Segundo os socialistas, o patamar máximo de elegibilidade passa de cinco milhões para 10 milhões de euros e, por outro lado, propõe-se uma duplicação do crédito fiscal ao investimento no regime contratual para investimentos acima de 10 milhões de euros, passando a ser de 20%.

Para as micro empresas tecnológicas, os socialistas querem lançar um programa denominado "Semente", que estabelecerá um conjunto de benefícios fiscais para quem queira investir em pequenas empresas em fase de 'start-up', ou nos primeiros anos de arranque.

No âmbito deste programa, preveem-se benefícios em sede de IRS para quem invista as suas poupanças no capital destas empresas; uma tributação mais favorável de mais-valias mobiliárias ou imobiliárias, quando estas sejam aplicadas em start-ups; e um regime fiscal mais favorável na tributação de mais-valias decorrentes "do sucesso dos projetos levados a cabo por estas empresas na venda de partes de capital, após um período de investimento relevante".

Com o objetivo de combater a burocracia na atividade económica, no programa eleitoral do PS prevê-se a adoção da "Declaração Única", na qual são suprimidas "obrigações declarativas e comunicações obrigatórias para o Estado e outras entidades públicas que não sejam necessárias.

Na perspetiva dos socialistas, muitas empresas são forçadas a fazer as mesmas comunicações para diferentes departamentos do Estado como o fisco, Segurança Social, Instituto Nacional de Estatística e serviços do Ministério do Ambiente.

Com esta medida, o PS quer instituir "um ponto único para o envio da informação, quando a mesma seja considerada imprescindível".

Ainda no domínio da desburocratização, o PS quer aprovar um regime de "Taxa Zero para a Inovação", "dispensando do pagamento de taxas administrativas e emolumentos associados a várias áreas da vida das empresas certos tipos de empresas criadas por jovens investidores e start-ups inovadoras".







Lusa
  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.

  • O momento em que Trump quis ser um camionista

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump reuniu-se esta quinta-feira com representantes da indústria de camionagem. Não é apenas do encontro que lhe falamos, mas principalmente da invulgar receção feita por Trump, que entrou para um camião, fingiu que o conduzia e buzinou... em pleno jardim da Casa Branca.

  • FBI investiga possível campanha de espiões russos contra Hillary
    0:57

    Mundo

    A suspeita de ligação entre a equipa de Donald Trump e operacionais russos está a aumentar. A CNN diz que a equipa do Presidente do Estados Unidos da América se coordenou com os russos para atingir Hillary Clinton. O FBI está a investigar registos telefónicos, de viagens, relatórios e transações para offshores.

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Jovem violada em direto no Facebook não se sente em segurança

    Mundo

    A jovem de 15 anos que foi abusada sexualmente por cinco ou seis homens durante um vídeo em direto para o Facebook está a receber tratamento. A mãe da jovem deu uma entrevista, na qual disse que a filha já não se sente em segurança na sua vizinhança, depois de receber ameaças na internet.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27

    Mundo

    Estella Westrick tem apenas três anos, mas já conseguiu chegar aos jornais de todo o mundo, depois de "roubar" o chapéu do Papa. Durante uma visita da família na quarta-feira ao Vaticano, a criança - que não parece estar muito contente no vídeo - foi pegada ao colo por um dos funcionários do Vaticano, que a levou depois até ao Papa para receber dois beijos. Nesta altura, Estella aproveitou para tirar o solidéu episcopal, arrancando gargalhadas de toda a gente, especialmente do Papa Francisco.