sicnot

Perfil

Economia

Portugal deve melhorar esforços para reduzir desigualdades, alerta a OCDE

A OCDE recomendou hoje que Portugal deve melhorar "os esforços para reduzir a desigualdade", uma vez que "os níveis dos benefícios" dos esquemas de rendimentos mínimos "são baixos" e que "a cobertura dos subsídios de desemprego é limitada".  

© Rafael Marchante / Reuters

No "Economic Outlook", hoje divulgado, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) escreve que "as sobreposições e o direcionamento insuficiente nos programas de transferências devem ser combatidos para reduzir a desigualdade e os níveis de pobreza". 

 
 

A OCDE já tinha publicado um relatório em maio em que alertou que o fosso entre ricos e pobres diminuiu, mas que Portugal continua entre os países mais desiguais e com maiores níveis de pobreza consolidada da OCDE. 

 
 

Num relatório que analisava a evolução da desigualdade de rendimentos nos últimos anos em todos os países da organização e também economias emergentes como a China ou a Rússia, o relatório referia que a desigualdade de rendimentos e a pobreza aumentaram durante a crise. 

 
 

"Nos primeiros anos da crise, a desigualdade de rendimentos antes de impostos e benefícios aumentou fortemente, mas os impostos e benefícios amorteceram a subida. Nos anos mais recentes, enquanto a desigualdade de rendimentos antes de impostos e benefícios continuou a subir, o efeito de amortecimento abrandou, acelerando a tendência geral de aumento da desigualdade do rendimento disponível", notava a OCDE. 

 
 

Entre 2011 e 2012, Portugal registou uma redução de 0,343 para 0,338 no coeficiente Gini, que mede as desigualdades de rendimento (0 para os países com igualdade de rendimentos e 1 para os países com maior desigualdade de rendimentos), o que faz com que Portugal seja o nono país mais desigual entre os 34 da OCDE, acima do índice médio destes países, que é de 0,315.



Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00

    Reportagem Especial

    Todos os anos, o Estado gasta centenas de milhões de euros para financiar os meios de combate aos incêndios. A reportagem especial da SIC denuncia falta de rigor e clareza em muitos dos negócios.

  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.