sicnot

Perfil

Economia

"A Justiça faz-se nos tribunais e não na comunicação social"

O antigo presidente do Banco Privado Português (BPP), João Rendeiro, já reagiu à absolvição do crime de burla qualificada no processo Privado Financeiras, salientando que a Justiça é feita nos tribunais e não na comunicação social. 

SIC

"Esta decisão prova que a Justiça se faz nos Tribunais e não na comunicação social. Todos os que apostaram - e foram muitos - no populismo mediático e no julgamento em praça pública perderam", destacou Rendeiro numa nota escrita enviada às redações. 

Segundo o responsável, com esta decisão hoje proferida pelo coletivo de juízes liderado por Nuno Salpico, "venceu a prova produzida em Audiência de Julgamento, a Lei e o Direito e a convicção de que o julgamento se não faria nos Media mas sim no tribunal".

E realçou: "Neste momento de satisfação o meu pensamento vai para os clientes do BPP que, felizmente, em mais de 90% dos casos já receberam a totalidade dos seus patrimónios. E para o Estado que tem coberto o seu crédito de 450 milhões de euros na massa insolvente do BPP".

João Rendeiro finalizou congratulando-se com o desfecho deste processo e deixando uma série de agradecimentos.

"Desejo naturalmente congratular-me e agradecer a todos os que me têm apoiado nestes tempos difíceis, à minha mulher, aos meus amigos e aos meus advogados", sublinhou. 


Lusa
  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.