sicnot

Perfil

Economia

Varoufakis assume que Governo grego retirou muitas propostas eleitorais para chegar a acordo

O ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis, afirmou este sábado que o Governo retirou "muitas promessas eleitorais" da proposta apresentada às instituições credoras, porque tem "um forte desejo de chegar a acordo".

o ministro das Finanças sublinhou que não assinará um plano que não seja viável e implique seguir as pisadas dos governos anteriores, que "faziam promessas sabendo que não as iam cumprir", descrevendo a proposta de acordo apresentada há alguns dias pelos credores como a que se faz "quando não se quer chegar a acordo".

o ministro das Finanças sublinhou que não assinará um plano que não seja viável e implique seguir as pisadas dos governos anteriores, que "faziam promessas sabendo que não as iam cumprir", descrevendo a proposta de acordo apresentada há alguns dias pelos credores como a que se faz "quando não se quer chegar a acordo".

YANNIS KOLESIDIS / Lusa

Em entrevista à televisão alemã Deutsche Welle, citada pela agência EFE, Varoufakis comentava assim a proposta de acordo de 47 páginas que o Governo grego fez às instituições credoras (Comissão Europeia, Fundo Monetário Internacional e Banco Central Europeu), realçando que o objetivo é alcançar um pacto que leve à superação da crise "de uma vez por todas". 

Ainda assim, o ministro das Finanças sublinhou que não assinará um plano que não seja viável e implique seguir as pisadas dos governos anteriores, que "faziam promessas sabendo que não as iam cumprir", descrevendo a proposta de acordo apresentada há alguns dias pelos credores como a que se faz "quando não se quer chegar a acordo". 

Já na sexta-feira, o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, tinha pedido aos credores a retirarem exigências "absurdas" apresentadas a Atenas.

"Estamos mais perto do que nunca de um acordo", que deve incluir uma cláusula "sobre a viabilidade da dívida grega", indicou Tsipras numa sessão parlamentar extraordinária.

O primeiro-ministro grego referiu, no entanto, que a proposta que lhe foi entregue há dias pelo presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, em nome das instituições credoras da Grécia, foi "uma surpresa desagradável" e apelou aos credores para retirarem as exigências "absurdas".

"O Governo grego não pode, em quaisquer circunstâncias, concordar com propostas absurdas" disse Tsipras, como por exemplo uma subida de dez pontos percentuais do IVA na eletricidade. 

Os credores da Grécia exigem reformas para que seja desbloqueada a tranche de 7,2 mil milhões de euros do empréstimo concedido em 2012, mas o Governo grego liderado pelo Syriza (esquerda radical) diz que quer aliviar a austeridade imposta ao país nos últimos anos e tem recusado reformas que impliquem novos cortes.
Lusa
  • Marcelo Rebelo de Sousa avisou que depois das autárquicas viria um novo ciclo. A lógica levou-nos a assumir que estava a falar do PSD, mas hoje, olhando para a situação política, devemos também incluir nessa previsão a “geringonça” e os seus equilíbrios. Não acredito que as coisas mudem até às legislativas, mas as contas só se fazem depois dos votos das autárquicas. Até lá, o tom de voz das esquerdas vai engrossar.

    Bernardo Ferrão

  • A corrida ao iPhone 8 no Japão, China e Austrália
    2:04
  • Milhares protestam na Catalunha contra Madrid
    1:45

    Mundo

    O Governo de Madrid mostrou-se disposto a dar mais dinheiro e autonomia financeira à Catalunha, se o Governo Regional suspender o referendo independentista. A 10 dias da consulta popular, a tensão é explosiva, com protestos nas ruas, detenções e confrontos com as autoridades.

  • O que separa a Catalunha do resto de Espanha?
    2:12

    Mundo

    Desde 1640, as revoltas catalãs representam a vontade pela distância e pela independência. Numa região que não é reconhecida formalmente como Nação, na Catalunha entende-se e fala-se mais castelhano do que catalão. Mas o que realmente separa a Catalunha do resto de Espanha?

  • Complexo Agroindustrial do Cachão abandonado e exposto à poluição
    2:03
  • Família Portugal Ramos
    15:01

    As Famílias Vintage regressaram esta quinta-feira, com uma viagem ao Alentejo. Foi a partir desta região que João Portugal Ramos conquistou um lugar entre os grandes do setor. Desde há 25 anos a vindimar em seu nome, o enólogo produz seis milhões de litros de vinho por ano.

  • Se pedir ao seu cão para ir buscar uma garrafa de vinho ele vai?
    0:49

    País

    Há 25 anos a vindimar no Alentejo, o enólogo João Portugal Ramos produz seis milhões de litros de vinho por ano. Em Estremoz comprou casa e terra. Iniciou a plantação de vinhas próprias e a construção de uma adega. Um espaço que conhece como as palmas da mão. Ele e um amigo muito especial.

  • Presidente das Filipinas pede que matem o filho se estiver envolvido nas drogas

    Mundo

    O Presidente das Filipinas pediu que matassem o seu filho se as acusações de que traficava droga fossem provadas. Rodrigo Duterte destacou ainda que, caso fosse verdade, iria proteger as autoridades que executassem Paolo Duterte. Em causa está a acusação de que o filho do Presidente filipino faria parte da máfia chinesa, que contrabandeia drogas, vindas da China para dentro do país.

    SIC

  • Morreu a mulher mais rica do mundo

    Mundo

    Liliane Bettencourt, herdeira do grupo de cosméticos L'Oréal e a mulher mais rica do mundo, segundo a revista Forbes, morreu na quarta-feira à noite aos 94 anos, anunciou a família.

  • Espanhola tenta provar há sete anos que está viva

    Mundo

    Uma mulher de 53 anos está há sete anos a tentar provar que está viva. Segundo o Estado espanhol, Juana Escudero Lezcano morreu a 13 de maio de 2010, mas na realidade quem morreu foi uma mulher com o mesmo nome e data de nascimento.

    SIC