sicnot

Perfil

Economia

Banco de Portugal revê em alta procura interna e exportações mas mantém PIB

As exportações e a procura interna vão ser os dois motores do crescimento português, de acordo com o Banco de Portugal. O mais recente boletim económico do supervisor mostra uma aceleração nas duas rubricas até 2017. De resto, mantém as previsões para o PIB, que  deverá subir 1,7% este ano, 1,9% no próximo e 2% em 2017.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

No boletim económico, hoje divulgado, o Banco de Portugal confirmou as suas projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) português divulgadas em março, alterando no entanto a sua previsão para a composição do produto.

Este crescimento de 1,7% este ano, de 1,9% em 2016 e de 2% em 2017, previsto pelo Banco de Portugal, "assentará no crescimento robusto das exportações e na procura interna".

A instituição liderada por Carlos Costa prevê que as exportações cresçam 4,8% este ano, acelerando o ritmo de crescimento para os 6% em 2016 e para os 6,4% em 2017, estimativas que são mais otimistas do que as que o banco central avançou em março.

De acordo com o banco central, "a aceleração das exportações em 2015 reflete a evolução da procura externa e ganhos de competitividade-preço, num contexto de forte depreciação do euro" destacando no entanto que "estes ganhos de competitividade são compensados pela forte redução das exportações para Angola".

Já para os dois anos seguintes, "a evolução das exportações deverá refletir a trajetória de aceleração da procura externa, antecipando-se um ligeiro aumento da quota de mercado decorrente da melhoria da competitividade-preço associada nomeadamente à depreciação da taxa de câmbio efetiva do euro".

De acordo com as estimativas do Banco de Portugal, o peso das exportações no PIB em termos reais "deverá aumentar 14 pontos percentuais entre 2008 e 2017, situando-se em cerca de 46% no final do horizonte de projeção".

Já quanto às projeções para a procura interna, o Banco de Portugal reviu ligeiramente em alta a sua previsão para 2015 e manteve-a praticamente inalterada para os dois anos seguintes, esperando que a procura interna aumente 2,1% este ano, 1,8% no próximo e 2,1% em 2017.

O Banco de Portugal antecipa, assim, um "crescimento moderado do PIB" ao longo do horizonte das projeções, esperando que haja "um aumento gradual da taxa de crescimento" até 2017, ano em que o nível do PIB de Portugal deverá estar próximo do registado em 2008.

"No final do horizonte de projeção o nível do PIB deverá situar-se próximo do observado antes do início da crise financeira internacional", lê-se no boletim económico, que acrescenta que esta evolução "traduz uma recomposição significativa da estrutura da despesa no sentido de uma crescente orientação de recursos produtivos para setores com maior exposição à concorrência internacional".

Quanto à inflação, o Banco de Portugal prevê que a taxa de inflação se situe nos 0,5% este ano, nos 1,2% no próximo e nos 1,3% em 2017, melhorando as projeções de março, em que tinha apontado para taxas de inflação de 0,2% em 2015 e de 1,1% nos dois anos seguintes.

A instituição liderada por Carlos Costa considera que os riscos que se colocam à projeção da atividade económica estão globalmente equilibrados, mas que os riscos relacionados com a inflação estão "ligeiramente descendentes".

O banco central aponta como riscos descendentes à evolução da atividade económica a possibilidade de haver uma recuperação mais moderada da economia mundial e a necessidade de adotar medidas de consolidação orçamentais adicionais e como riscos ascendentes o impacto favorável das reformas em curso e das medidas europeias de incentivo ao investimento, bem como a necessidade de aumentar a capacidade produtiva em algumas empresas.

O Banco de Portugal recomenda ainda que "a economia portuguesa deverá prosseguir o processo de ajustamento em curso, com aumentos sustentáveis do consumo, com um crescimento do investimento que assegure a renovação do capital e com níveis de endividamento progressivamente menores".

Além disso, a instituição de Carlos Costa reitera um aviso que tem vindo a fazer, insistindo na necessidade de realizar reformas estruturais.

"O sucesso da economia portuguesa dependerá sobretudo da capacidade para aumentar a quantidade e qualidade dos recursos produtivos, da prossecução de reformas estruturais que promovam de forma sustentada e equitativa o crescimento económico, bem como de uma condução das políticas económicas que preserve os equilíbrios macroeconómicos fundamentais", lê-se no boletim económico, sublinhando que "o atual enquadramento internacional favorável representa uma boa oportunidade para aprofundar esta agenda em Portugal".

O banco central indica que as projeções hoje divulgadas estão próximas das divulgadas pelo Banco Central Europeu (BCE) para a área do euro e têm em consideração a manutenção do ajustamento de alguns desequilíbrios da economia portuguesa.

As previsões de crescimento do Banco de Portugal são ligeiramente mais otimistas do que a do Governo para 2015, antecipando o executivo um crescimento de 1,6% este ano, mas são mais pessimistas para os dois anos seguintes, uma vez que o Governo prevê que o produto aumente 2% já em 2016 e 2,4% em 2017.


Com Lusa
  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.