sicnot

Perfil

Economia

Banco HSBC prepara-se para despedir 25 mil em todo o mundo

O banco britânico HSBC anunciou hoje um vasto plano de restruturação que prevê a redução de cerca de 10% dos seus funcionários, o que representa entre 22.000 e 25.000 postos de trabalho em todo o mundo.

© Peter Nicholls / Reuters

O HSBC, primeiro banco da Europa, pretende fechar sucursais, acelerar a desmaterialização das suas transações e deslocalizar milhares de postos de trabalho, segundo um plano no publicado seu 'site' e citado pela AFP.

A reorganização das operações do banco britânico inclui um vasto plano de redução de custos e o fim das operações no Brasil e na Turquia em benefício da Ásia. 

O HSBC visa "reduções de custos entre 4,5 e cinco mil milhões de dólares por ano a partir de agora até 2017", uma restruturação que deverá custar ao banco entre quatro a 4,5 mil milhões de dólares durante o período anunciado. 

Numa nota enviada à bolsa de Hong Kong, o HSBC não menciona o corte de milhares de postos de trabalho referidos nos últimos dias pela imprensa britânica, mas refere que quer proceder a "uma deslocalização dos seus recursos". 

O gigante britânico, que emprega 266.000 pessoas em todo o mundo, "quer vender as suas operações na Turquia e no Brasil", mantendo neste último país "uma presença" para os seus clientes institucionais. 

O HSBC pretende paralelamente "acelerar os seus investimentos na Ásia", especialmente no sul da China e sudeste asiático "para captar oportunidades de crescimento e adaptar-se às mudanças estruturais" do mercado bancário, sublinhou o grupo.

O diretor-geral do HSBC, Stuart Gulliver, deverá expor o plano hoje de manhã, em Londres, a partir das 08:00, durante uma apresentação aos investidores.

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC