sicnot

Perfil

Economia

Falta de acordo seria o princípio do fim para a zona euro, diz Tsipras

A falta de acordo sobre a Grécia significaria "o princípio do fim" para a zona euro, advertiu o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, numa entrevista hoje ao jornal italiano Corriere della Sera.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Alkis Konstantinidis / Reuters

Questionado sobre se o fracasso das negociações entre Atenas e os credores internacionais significaria o fracasso da Europa, Tsipras respondeu: "Penso que é evidente. Isso seria o início do fim da zona euro". 

Para o primeiro-ministro grego, "se a Grécia falir, os mercados vão imediatamente procurar outro" elo mais fraco da zona euro, disse, numa alusão a Espanha ou a Itália.

"Se os dirigentes europeus não conseguem resolver um problema como o da Grécia, que representa 2% da sua economia, qual será a reação dos mercados para os países que enfrentam problemas maiores, como a Espanha ou Itália?", questionou. 

Não obstante, considerou que o acordo poderá ser alcançado em breve: "Penso que estamos muito próximos de um acordo (...), só falta adotar uma atitude positiva em relação às nossas propostas alternativas aos cortes nas pensões ou à imposição de medidas que provoquem a recessão", afirmou Tsipras.

As discussões entre a Grécia e os seus credores regressaram na segunda-feira, a pequenos passos, apesar da urgência, com o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, a apelar para que as partes sejam "flexíveis".

A Grécia, que deveria fazer quatro reembolsos entre 05 e 19 de junho, pediu o seu agrupamento numa única prestação, a pagar no final do mês, como tem direito. 

Os gregos, que negoceiam a concessão de um empréstimo de 7,2 mil milhões de euros, com o Fundo Monetário Internacional, a União Europeia e o Banco Central Europeu, condicional à realização de reformas difíceis, têm assim mais algum tempo para as negociações, antes de ficarem com os cofres vazios.
  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.