sicnot

Perfil

Economia

Ministra da Agricultura rejeita críticas da CNA sobre restrições do PRODER

Ministra da Agricultura rejeita críticas da CNA sobre restrições do PRODER

A ministra da Agricultura diz que as críticas da Confederação Nacional da Agricultura (CNA) são "despropositadas" e "incorretas". Assunção Cristas lembra que quase 20 por cento dos fundos serviram para apoiar pequenos agricultores.

Portugal alcançou hoje 100 por cento de execução do PRODER - Programa de Desenvolvimento Rural, atingindo, seis meses antes do final do prazo, 4.700 milhões de euros para a agricultura, anunciou hoje o vice-primeiro ministro, Paulo Portas.

A Confederação Nacional da Agricultura (CNA) declarou ontem que o PRODER apoiou essencialmente um grupo restrito de agricultores e pouco ajudou a desenvolver o mundo rural.

  • Paulo Portas diz que o resultado do Proder é um "orgulho"
    0:26

    Economia

    O Governo anunciou hoje a execução de 100 por cento do Programa de Desenvolvimento Rural (Proder). Paulo Portas garantiu, esta noite, que todo o dinheiro vai ser usado. Na Feira da Agricultura em Santarém, o vice-primeiro ministro considerou que o resultado conseguido por Portugal deve ser encarado com orgulho.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.