sicnot

Perfil

Economia

Preços aceleram subida homóloga para 1,0% em maio

Os preços voltaram a subir em maio, aumentando 1,0%, face ao mesmo mês de 2014, sobretudo devido ao aumento na classe dos transportes, informa hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

© Rafael Marchante / Reuters

Os preços tinham já registado uma subida homóloga de 0,4% Em abril e de 0,3% em março.

Em termos mensais, o Índice de Preços no Consumidor (IPC) subiu 0,4% em maio, o que compara com os 0,3% do mês anterior e os -0,1% de maio de 2014, enquanto a variação média dos últimos 12 meses foi negativa em 0,1% (-0,2% no mês anterior).

O indicador de inflação subjacente, medido pelo índice total excluindo produtos alimentares não transformados e energéticos, registou em maio uma subida homóloga de 0,7% (0,5% em abril).

Segundo o INE, a "aceleração" do IPC em maio foi "determinada em grande parte pelas evoluções dos índices das classes dos transportes, dos produtos alimentares e bebidas não alcoólicas e das bebidas alcoólicas e tabaco", que passaram de taxas de variação de -1,4%, 1,2% e 4,0% em abril para 1,0%, 2,1% e 5,1%, respetivamente, em maio de 2015.

Já a classe com maior contribuição negativa para a variação homóloga do IPC foi, tal como no mês anterior, a do vestuário e calçado, com uma variação homóloga de -2,5% (-2,4% em abril).

Em maio, o agregado relativo aos produtos alimentares não transformados registou uma variação homóloga de 3,7% (2,0% no mês anterior), enquanto o índice relativo aos produtos energéticos apresentou uma taxa de variação menos negativa, que se situou em -1,3% (-3,0% no mês anterior).

Segundo o INE, face ao mês anterior destaca-se o aumento da contribuição da classe dos transportes e a dos produtos alimentares e bebidas não alcoólicas para a variação homóloga do IPC, enquanto as restantes classes não registaram "alterações significativas".

Em termos mensais, a subida de 0,4% dos preços em maio compara com o aumento de 0,3% no mês anterior e com o recuo de 0,1% em maio de 2014.

O Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) português registou em maio uma subida homóloga de 1,0% (0,5% no mês anterior).

De acordo com a informação disponível relativa a abril de 2015, esta variação homóloga do IHPC português foi superior em 0,5 pontos percentuais à taxa estimada pelo Eurostat para os países do euro, à semelhança do observado no do mês anterior, sendo que, tendo como referência a estimativa do gabinete de estatísticas europeu, a diferença terá aumentado para 0,7 pontos percentuais em maio.

Quanto à taxa de variação mensal do IHPC, foi de 0,5% em maio, uma taxa superior em 0,4 pontos percentuais à do mesmo mês de 2014, apontando a estimativa do Eurostat para uma taxa de variação mensal do IHPC da área do euro de 0,2% (-0,1% em maio de 2014).

Já a taxa de variação média dos últimos 12 meses do IHPC português foi nula (variação de -0,1% no mês anterior).


Lusa
  • Incêndio em Lisboa faz um ferido
    4:13

    País

    Um incêndio de grandes dimensões deflagrou esta segunda-feira numa loja, na Avenida de Berlim, em Lisboa. O repórter André Palma esteve no local, onde ouviu o comandante dos Sapadores Bombeiros de Lisboa. Pedro Patricio confirmou que foi assistida uma pessoa por inalação de fumos e, por questões de segurança, os veículos estacionados perto do local foram retirados, assim como foi pedido às pessoas dos prédios à volta que saíssem por causa do fumo. O incêndio foi dominado.

  • "Rui Rio avisou que vinha para partir loiça dentro do PSD"
    3:00
  • Hugo Soares não deverá continuar como líder parlamentar do PSD
    3:17

    País

    Rui Rio não deverá manter Hugo Soares na liderança parlamentar do PSD. Fonte próxima do novo presidente social-democrata diz à SIC que dificilmente o líder da bancada poderá continuar no cargo. Aumenta a pressão para que Hugo Soares ponha o lugar à disposição e já começam a surgir nomes para o substituir.

  • Suspeita de militantes fantasma no PSD
    4:22

    País

    Perante a suspeita de militantes fantasma e de caciquismo, Salvador Malheiro, diretor de campanha de Rui Rio, diz que o ato eleitoral foi devidamente fiscalizado. Uma investigação do jornal Expresso encontrou oito filiados numa morada que não existe e 17 militantes com morada numa casa onde vivem nove pessoas e nenhuma é do PSD. A associação cívica Transparência e Integridade fala num vazio legal e em falta de regulamentação.

  • Cristiano Ronaldo está insatisfeito com o salário e pode sair do Real Madrid
    2:38