sicnot

Perfil

Economia

Fabricante de aviões Embraer prevê entregar mais de 6.300 jatos novos em 20 anos

O fabricante de aviões brasileira Embraer prevê, em 20 anos, entregar 6.350 jatos novos, 2.250 deles no segmento entre 70 e 90 lugares e os restantes entre 90 e 130 lugares, divulgou hoje a empresa.   

© Roosevelt Cassio / Reuters

O valor que poderá ser obtido com as vendas previstas é de 300 mil milhões de dólares (266,29 mil milhões de euros), segundo o relatório relativo ao período entre 2015 e 2034, apresentado durante o 51.º Paris Air Show Internacional.

As novas entregas serão compostas por 39% de substituição das aeronaves antigas e 61% de produção para o crescimento do mercado. 

A América do Norte é a região que terá maior percentagem de novas entregas, com 32%, seguida da Europa, com 18%, da China, com 16% e da América Latina, com 11%

A Embraer divulgou ainda ter recebido pedidos de várias empresas por aeronaves.

A SkyWest fez pedido de 8 jatos E175 adicionais para operarem pela Alaska Airlines, a Colorful Guizhou Airlines, assinou acordo para obter até 17 jatos E190, a Aircastle fez pedido firme para 25 E-Jets E2 e a United Airlines adicionou mais jatos E175 à sua frota. 










Lusa
  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.