sicnot

Perfil

Economia

Greve de sexta-feira na Groundforce pode causar perturbações no aeroporto de Lisboa

A greve de sexta-feira na Groundforce, convocada pelo Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava), pode causar perturbações nos serviços de assistência em terra no aeroporto de Lisboa, disse à Lusa o dirigente sindical Fernando Henriques.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

Inserida na semana de luta nos transportes, o Sitava convocou uma greve parcial na empresa de 'handling' (assistência em terra), entre as 09:00 e as 15:00 de sexta-feira, que contesta as privatizações no setor. 

Em declarações à Lusa, o coordenador do Sitava Fernando Henriques disse que "haverá seguramente perturbações" nos serviços de assistência em terra do aeroporto da Portela, adiantando que o recurso a trabalhadores temporários e prestadores de serviço deverá minimizar o impacto da paralisação. 

A partir das 10:00, os trabalhadores da Groundforce vão concentrar-se numa ação de protesto em frente ao Tribunal de Contas, em Lisboa, reclamando que a instituição liderada por Guilherme d'Oliveira Martins faça uma escrutínio apertado às sucessivas operações de privatização e concessão no setor levadas a cabo por este Governo. 

"Houve uma denúncia ao Tribunal de Contas sobre a negociata entre a Urbanos, a TAP e o Governo, que culminou com a entrada da empresa no capital da SPDH [Groundforce], sem que tenha posto lá um euro", disse Fernando Henriques. 

Após a concentração, os trabalhadores da empresa de assistência em terra seguem até ao Ministério da Economia, que tem a tutela dos transportes. 

A empresa de assistência em terra é detida em 49,9% pela TAP e em 50,1% pela Urbanos, na sequência de um acordo anunciado em 2012 e fechado em 2013. 





Lusa
  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".