sicnot

Perfil

Economia

Juros da dívida de Portugal a subir a cinco e a dez anos para máximos desde outubro

Os juros da dívida de Portugal estavam hoje a subir a cinco e a dez anos para máximos desde meados de outubro e no mesmo sentido a dois anos, mas para níveis registados em fevereiro.    

(LUSA/ ARQUIVO)

Os juros da Grécia a dois anos estavam a cair, mas próximos dos 30%, enquanto os da Irlanda, Itália e Espanha estavam em alguns prazos em máximos dos últimos seis meses. 

Hoje, cerca das 08:50 em Lisboa, os juros da dívida portuguesa a dez anos estavam a subir para 3,355%, valor máximo desde meados de outubro de 2014, contra 3,253% na segunda-feira. O atual mínimo de sempre é de 1,560% e foi registado a 13 de março passado.                                                                                            

Os juros a cinco anos também estavam a subir, para 2,005%, também um máximo desde meados de outubro de 2014, contra 1,901% na segunda-feira e o mínimo de sempre, de 0,749%, a 10 de abril passado.         

No mesmo sentido, os juros a dois anos estavam a subir para 0,258%, próximos dos valores de fevereiro, contra 0,216% na segunda-feira e longe do mínimo de sempre, de 0,013%, registado a 13 de abril passado.     

Depois de ter iniciado a 09 de março passado um programa inédito de compra de dívidas soberanas e privadas, que vai permitir a injeção de 60 mil milhões de euros por mês, até, pelo menos, setembro de 2016, na economia da zona euro, na esperança de a redinamizar, o Banco Central Europeu (BCE) manteve as taxas de juro inalteradas em mínimos na última reunião de política monetária de 03 de junho.         

Os efeitos do programa fizeram sentir-se, por antecipação, nas taxas de juro das dívidas soberanas, que evoluem em sentido inverso ao da procura e têm renovado mínimos diariamente. Algumas das taxas tornaram-se negativas nos prazos mais curtos, ou seja, os investidores estão dispostos a pagar para deter estes títulos por os considerarem muito seguros.   

A 17 de maio de 2014, Portugal abandonou oficialmente o resgate sem qualquer programa cautelar.

O programa de ajustamento pedido por Portugal à 'troika' (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional), no valor de 78 mil milhões de euros, esteve em vigor durante cerca de três anos.

Hoje, os juros da dívida soberana da Irlanda estavam estáveis a dois anos e a subir a cinco e dez anos, enquanto os de Itália e de Espanha estavam a subir em todos os prazos, nalguns prazos para máximos dos últimos seis meses. 

Em relação aos juros da Grécia, estes estavam a descer a cinco e a subir a dez anos para valores em torno dos 29,205%, um máximo dos últimos seis meses, e 12,693%, respetivamente.


Juros da dívida soberana em Portugal, Grécia, Irlanda, Itália e Espanha cerca das 08:50:

2 anos... 5 anos... 10 anos 


Portugal 


16/06..... 0,258......2,005....3,355

15/06..... 0,216......1,901....3,253


Grécia 



16/06.....29,205....n disp...12,693

15/06.....29,670....n disp...12,315



Irlanda



16/06.......0,131.....0,767....1,806

15/06.......0,131.....0,742....1,771



Itália



16/06......0,535......1,461....2,429

15/06......0,456......1,358....2,357

 

Espanha



16/06......0,536......1,352....2,506

15/06......0,453......1,254....2,410



Fonte: Bloomberg Valores de 'bid' (juros exigidos pelos investidores para comprarem dívida) que compara com fecho da última sessão.


Lusa



  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Polícia usa gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes contra cimeira do G7
    2:28

    Mundo

    A cimeira do G7 terminou este sábado com confrontos entre manifestantes e a polícia na ilha italiana da Sicília e sem o compromisso de Donald Trump sobre o Acordo de Paris para a redução de emissões de dióxido de carbono. O Presidente dos EUA fez saber na rede social Twitter que vai tomar a decisão final durante a próxima semana.