sicnot

Perfil

Economia

Tsipras equipara exigências dos credores a oportunismo e fala em pilhagem da Grécia

O primeiro-ministro grego equiparou na segunda-feira as exigências dos credores externos do país a "oportunismo político", considerando que eram feitas depois de cinco anos de "pilhagem da economia" grega.

"Esperamos pacientemente até que as instituições [União Europeia e Fundo Monetário Internacional (FMI)] cedam ao realismo", disse Alexis Tsipras. (Arquivo)

"Esperamos pacientemente até que as instituições [União Europeia e Fundo Monetário Internacional (FMI)] cedam ao realismo", disse Alexis Tsipras. (Arquivo)

JULIEN WARNAND / Lusa

"Esperamos pacientemente até que as instituições [União Europeia e Fundo Monetário Internacional (FMI)] cedam ao realismo", disse Alexis Tsipras, em declaração escrita enviada ao diário de esquerda grego Ephimerida ton Syndakton.

O encontro de posições da Grécia e dos credores foi impossível de fazer, levando à interrupção de um novo ciclo negocial, apesar de Atenas ter alegadamente feito uma cedência orçamental antes de interromper as negociações, apesar da urgência financeira. 

Em 30 de junho, a Grécia tem de pagar 1,6 mil milhões de euros ao FMI, mas não é certo que o possa fazer. 

Se não fizer o reembolso, a Grécia poderá ter de enfrentar as consequências do incumprimento, que a ocorrer será uma novidade na Zona Euro.  

Mas o Governo de Tsipras já fez saber que está pronto para regressar à mesa das negociações "a qualquer momento".

Porém, acentuou o porta-voz do executivo, considerando como base negocial a proposta grega. 

No entanto, tanto a Comissão Europeia, como um documento publicado pelo diário grego Kathimerini, avançaram que Atenas tinha aceitado a exigência dos credores relativa à verificação de um excedente orçamental, excluindo o serviço da dívida, de 1% em 2015 e 2% em 2016, quando os gregos pretendiam 0,6% e 1,5%, respetivamente.

Mas falta "avaliar se os compromissos para aí chegar são credíveis", relativizou na segunda-feira um porta-voz da Comissão. 

A próxima reunião entre os representantes gregos e dos credores está prevista para antes do encontro regular dos ministros das Finanças da Zona Euro na quinta-feira. 

Neste dia, Tsipras vai estar na Federação Russa, pela segunda vez em dois meses. 

Hoje e quarta-feira, Atenas vai receber o primeiro-ministro austríaco, Werner Faymann, que vai ser o primeiro dirigente europeu a deslocar-se à capital grega, desde que o Syriza chegou ao poder.

Na segunda-feira, Faymann alertou os seus pares europeus para as consequências da "austeridade extrema" que se pretende aplicar na Grécia. 
Lusa
  • Cavaco quer Grécia no euro mas avisa que regras têm de ser respeitadas
    1:04

    Economia

    Preocupado com o impasse em torno da Grécia, Cavaco Silva defendeu que o país deve manter-se no euro, mas lembrou que há regras que têm de ser respeitadas e que Atenas não pode ter tratamento de exceção. Declarações feitas durante a visita oficial à Bulgária, onde o Presidente da República alertou para as consequências de um fracasso nas negociações.

  • Grécia aguarda última tranche do resgate
    2:16

    SIC Europa

    Quinta-feira há nova reunião do Eurogrupo. A Grécia precisa que os ministros das finanças da zona euro desbloqueiem a última tranche do resgate. Mas o dinheiro não será transferido para Atenas sem que gregos e credores internacionais ultrapassem o impasse nas negociações.

  • Oceanário de Lisboa dá formação sobre impacto da acumulação de plásticos nos oceanos
    2:37