sicnot

Perfil

Economia

Reserva Federal mantém taxas de juro e mostra-se mais pessimista nas previsões

A Reserva Federal (Fed), banco central norte-americano, deixou esta quarta-feira inalteradas as suas taxas de juro e mostrou-se mais pessimista sobre o crescimento económico e o desemprego nos Estados Unidos em 2015.

A presidente da Reserva Federal, Janet Yellen.

A presidente da Reserva Federal, Janet Yellen.

© Carlos Barria / Reuters

O Produto Interno Bruto (PIB) deverá aumentar entre 1,8% e 2%, em ritmo anual no último trimestre de 2015, uma revisão em baixa em relação ao intervalo entre 2,3% e 2,7% previsto em março passado, de acordo com as novas projeções trimestrais do comité de política monetária da Fed.

Para 2016, as previsões de crescimento situam-se entre 2,4% e 2,7%, sem grandes alterações em relação às anteriores.

Quanto à taxa de desemprego em 2015, a previsão do banco central norte-americano indica que deverá ficar entre 5,2% e 5,3%, quando até agora previa que ficasse entre 5% e 5,2%. 

Em maio, a taxa de desemprego nos Estados Unidos estava em 5,5%.

Após uma reunião de dois dias, a Fed decidiu também deixar as suas taxas de juro próximas de zero, um nível que se mantém desde finais de 2008.
Lusa
  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.