sicnot

Perfil

Economia

Varoufakis "não acredita" num acordo no Eurogrupo na quinta-feira

O ministro grego das Finanças, Yanis Varoufakis, declarou hoje em Paris que não acredita num acordo sobre a dívida, no âmbito do Eurogrupo previsto para quinta-feira no Luxemburgo.

© Charles Platiau / Reuters

Questionado em Paris, durante um encontro com o secretário-geral da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), Angel Gurria, sobre a possibilidade de um acordo, Varoufakis respondeu: "Eu não acredito." "Neste momento, são os dirigentes políticos que devem chegar a um acordo", acrescentou, citado pela AFP.

A Grécia deve reembolsar o Fundo Monetário Internacional (FMI) em cerca de 1,5 mil milhões de euros, no final do mês de junho, e não tem dinheiro suficiente para cumprir este prazo e ao mesmo tempo continua a pagar aos funcionários públicos e as reformas.

Atenas conta com o pagamento de 7,2 mil milhões de euros de ajudas, no âmbito de um segundo plano de resgate do FMI e da zona euro, mas os credores condicionam o pagamento desta soma a um programa de reformas sobre o qual as duas partes não chegaram por enquanto a acordo.

  "Este governo foi eleito para defender o povo grego com um programa de reformas muito ambicioso", explicou Varoufakis, acrescentando que espera que este plano seja tomado em conta.

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, que tinha declarado na véspera pensar que podia ainda fazer "dois ou três gestos" face aos credores, preveniu que "se a Europa insiste sobre as reformas, deverá aceitar o preço".

Um acordo, que poderia ser encontrado no âmbito de uma cimeira europeia especial, talvez no domingo em Bruxelas, deveria ainda ser aprovado pelos parlamentos de muitos países, incluindo a Alemanha, antes de dia 30 de junho.

O ministro francês das Finanças, Michel Sapin, estimou hoje por seu turno que uma falha das negociações com Atenas, que poderia conduzir à saída da Grécia da zona euro e mesmo da União Europeia, "seria gravíssima para a Grécia mas também extremamente grave para o projeto europeu".

Lusa
  • PM grego acusa credores de quererem derrubar Governo e pilharem o país
    1:32

    Crise na Grécia

    Cresce a tensão na Grécia depois de um fim de semana de negociações falhadas entre o Governo de Atenas e os credores internacionais. Em entrevista ao jornal alemão Bild, o ministro das Finanças da Grécia, Yanis Varoufakis, voltou a afirmar que a Grécia não vai apresentar uma nova lista de reformas ao Eurogrupo. Numa declaração escrita, Tsipras, o primeiro -ministro grego, acusou os credores de quererem derrubar o Governo do Syriza. O Eurogrupo reúne-se na quinta-feira para voltar a tentar um acordo.

  • Varoufakis recusa apresentar nova lista de reformas ao Eurogrupo

    Crise na Grécia

    A Grécia não vai apresentar uma nova lista de reformas ao Eurogrupo. A garantia foi deixada pelo ministro grego das finanças ao jornal alemão Bild. Depois do falhanço nas negociações deste fim de semana e a dois dias da próxima reunião do Eurogrupo. Yanis Varoufakis recusa apresentar propostas que não tenham sido discutidas ou negociadas a um nível inferior. 

  • Genro de Donald Trump depõe hoje no Senado

    Mundo

    Jared Kushner, genro do Presidente dos EUA Donald Trump, vai hoje depor à porta fechada perante o comité dos serviços de inteligência do Senado, a câmara alta do Congresso norte-americano.

  • " A melhoria das contas públicas não foi feita à custa dos portugueses"
    1:30

    País

    Numa espécie de balaço deste ano e meio de governação, o primeiro-ministro voltou a assinalar voltou a assinalar a redução do défice e as melhorias nas contas públicas. Num jantar com militantes em Coimbra, António Costa garantiu ainda que a "verdadeira reforça do Estado avança até ao final desta legislatura, que é a Descentralização.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15