sicnot

Perfil

Economia

CMVM suspende negociação das ações do BPI

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) suspendeu a negociação das ações do Banco BPI, SGPS, até à divulgação de informação relevante sobre a instituição, informou o regulador do mercado.

(arquivo)

(arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Hoje, cerca das 9:15 e antes da negociação ser suspensa pela CMVM, os 'papéis do BPI estavam a subir 1,86% para 1,259 euros, depois de terem caído 6,36% para 1,236 euros na quarta-feira.  

Na quarta-feira, os acionistas do BPI decidiram em assembleia-geral chumbar a desblindagem dos direitos de voto a 20% no banco, passo essencial para o sucesso da Oferta Pública de Aquisição (OPA) lançada pelo CaixaBank. 

No final da assembleia-geral de acionistas, que decorreu no Porto, o presidente executivo do BPI, Fernando Ulrich, afirmou que "a oferta está de pé, está viva", salientando que na reunião "não se esteve a tratar da oferta, mas da alteração dos estatutos" do banco. 

Já a Santoro, da angolana Isabel dos Santos, considerou que a OPA "morreu" com o chumbo dos acionistas à desblindagem dos estatutos, reiterando-se empenhada na fusão do banco com o Millenium BCP.

Antes, o comunicado do BPI na quarta-feira à CMVM sobre a assembleia-geral, adiantava que a proposta apresentada pelo acionista Santoro Finance, necessitava de "aprovação de 75% dos votos expressos", sendo que a mesma "obteve votos a favor de apenas 52,45%", pelo que as "alterações não foram aprovadas".

A assembleia-geral realizou-se no Porto e, segundo o banco, estiveram presentes ou representados 223 acionistas, detentores de ações correspondentes a 81,73% do capital social.

Na assembleia-geral de 29 de abril a maioria dos acionistas do Banco BPI presentes (54,7%) tinham decidido suspender até 17 de junho a votação da alteração dos estatutos do banco, para deliberar sobre o fim do limite de votos.

Esta alteração estatutária, que necessitava de ser aprovada por maioria qualificada, é decisiva para o sucesso da OPA - lançada em fevereiro pelo CaixaBank sobre a totalidade do capital do BPI, a 1,329 euros por ação -, alteração essa que a Santoro, de Isabel dos Santos, pretendia votar e inviabilizar já na assembleia-geral do final de abril.

Isto porque a empresária angolana já deixou clara por diversas ocasiões a sua oposição à oferta dos catalães, tendo avançado como proposta alternativa uma fusão entre o BPI e o BCP para criação da maior entidade bancária portuguesa.

O Caixa Bank lançou a 17 de fevereiro uma OPA sobre a totalidade do capital do BPI a 1,329 euros por ação, um preço considerado baixo pela administração do banco português.

Duas semanas depois, Isabel dos Santos avançou uma proposta alternativa de fusão entre o BPI e o BCP.

Lusa
  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.