sicnot

Perfil

Economia

Metade dos portugueses vai de férias no verão

Um inquérito sobre as intenções de férias dos portugueses, realizado pelo IPDT, indica que 52% vão tirar férias no período de junho a setembro, e destes pouco mais de metade vai viajar para fora da sua área de residência.

© Kieran Doherty / Reuters

O inquérito do Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), cujos resultados foram hoje divulgados, mostra que, dos 52% de inquiridos que tencionam fazer férias nos meses de verão, pouco mais de metade (53%) pretendem viajar para fora da área de residência. Os restantes 47% planeiam ficar por casa.

Em 2014, os dados de um inquérito anterior realizado pelo IPDT mostravam que 50% dos inquiridos iriam fazer férias entre junho e setembro. Destes, uma fatia de 67% planeavam sair da área de residência.

Entre aqueles que decidiram não fazer férias nos meses de verão, 29% apontam motivos financeiros, outros 28% referem o trabalho e ainda 26,9% por estarem reformados. Outros 15,1% dizem ainda que não costumam gozar férias.

Quanto aos inquiridos que vão viajar para fora da área de residência, 75% optam por destinos dentro de Portugal, nomeadamente o Algarve, que representa 35% das escolhas. Seguem-se o Centro (12%) e o Norte (11%) do país.

Na base da escolha do destino está principalmente a força do hábito, para 37,7% dos que irão para férias fora de casa, mas também o clima (27,5%) e a presença de familiares e amigos (26,8%).

Quanto ao tipo de alojamento, a maioria opta pelo arrendamento para férias (25%) e por ficar em casa de familiares e amigos (24%). Outra opção com algum peso são os hotéis de quatro e cinco estrelas (18%).

Por outro lado, 65% dos inquiridos que vão para férias fora da área de residência esperam gastar o mesmo que no ano passado, enquanto outros 23% preveem gastar mais. 

"Este valor parece estar sustentado com uma ligeira melhoria da confiança dos consumidores", afirma uma nota do IPDT, uma associação privada sem fins lucrativos que promove estudos sobre o setor.

Os dados recolhidos, de acordo com esta entidade, indicam ainda que as intenções de férias estão relacionadas com a idade, uma vez que os jovens viajam mais, e são ainda influenciadas pelas habilitações literárias e rendimento familiar.

O estudo hoje divulgado baseou-se em 500 entrevistas telefónicas, realizadas entre os passados dias 02 e 29 de maio.

O IPDT realizou ainda um inquérito complementar ao estudo, pela Internet e divulgado pelo Facebook, cujos resultados "refletem um perfil de consumidor diferente" dos inquiridos pelo telefone.

Em causa estão "sujeitos mais jovens, com mais habilitações literárias e mais rendimentos, que se enquadram no segmento de portugueses com mais propensão a fazer férias", indica a associação na nota divulgada.

Destes inquiridos, 88% vão gozar férias nos meses de verão, dos quais a grande maioria (90%) planeiam viajar para fora da área de residência. 

Em termos de destinos, 68% pretende ir para destinos em Portugal, enquanto 52% vão também, ou em alternativa, viajar até ao estrangeiro.

Os resultados do inquérito pela Internet também indicam que mais de metade (52%) vai ficar em hotéis, 22% em casas arrendadas para férias e outros 18% com familiares ou amigos.

Este segundo inquérito resultou em 252 questionários válidos e realizou-se entre os dias 18 e 31 de maio. 


Lusa
  • Kikas faz história
    1:22
  • Madonna está outra vez em Lisboa 😲
    0:59
  • Nove fatores que aumentam o risco de demência

    Mundo

    Um em cada três casos de demência podia ter sido evitado sem recorrer a medicamentos. Um estudo publicado na revista científica The Lancet explica como é possível evitar a demência e quais os fatores que contribuem para a doença.

  • Hindus pedem a troca de nome da cerveja brasileira Brahma

    Mundo

    Um grupo de hindus pediu a mudança da marca de cerveja Brahma, propriedade da multinacional cervejeira Anheuser-Busch InBev, com sede em Lovaina, na Bélgica, argumentando que é inapropriado uma bebida alcoólica ter o nome que um deus hindu.

  • Manuais oferecidos aos alunos do 1.º ano não podem ser reutilizados
    2:42

    País

    As escolas querem que sejam devolvidos aos alunos os manuais do 1.ºo ano que foram dados gratuitamente pelo Estado para serem reutilizados nos próximos anos. A Associação de Diretores de Agrupamentos diz que os livros estão praticamente todos em bom estado, mas da forma como são feitos pelas editoras é impossível voltar a usá-los. As escolas querem que o Executivo chegue a um entendimento com as editoras para conceber manuais reutilizáveis.

  • Portugal com 3.ª maior dívida pública da UE

    Economia

    A dívida pública recuou, em termos homólogos, na zona euro e na União Europeia (UE), no primeiro trimestre, tendo Portugal registado a terceira maior dos 28 (130,5%), depois da Grécia e de Itália, divulga hoje o Eurostat.