sicnot

Perfil

Economia

Metro de Lisboa avança com ligação à Reboleira

O Metropolitano de Lisboa adjudicou as obras do prolongamento da linha azul à Reboleira, na Amadora, e prevê concluir a ligação à linha ferroviária de Sintra até ao final do ano, informou a empresa. 

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

"Estão a ser desenvolvidos todos os esforços para que seja possível realizar a abertura à exploração até ao final deste ano", confirmou à Lusa a assessoria de imprensa do metro, esclarecendo que a empreitada no troço Amadora Este/Reboleira foi adjudicada por 8,795 milhões de euros. 

 

A presidente da Câmara da Amadora, Carla Tavares (PS), congratulou-se com o arranque da obra, que considerou "determinante para a mobilidade na zona norte da Área Metropolitana [de Lisboa] e para os concelhos da Amadora e de Sintra".  


Segundo a assessoria do metro, a empreitada contempla diversas especialidades, principalmente "de construção civil, baixa-tensão, telecomunicações, via-férrea, eletromecânica e arranjos exteriores à superfície, na zona adjacente à estação, na Rua das Indústrias e no Parque Armando Romão". 


Na primeira fase foram investidos cerca de 45 milhões de euros no túnel com 579,2 metros, desde Amadora Este, e na estação e zona terminal da Reboleira, mas os trabalhos foram suspensos devido a problemas de financiamento. 

 

No estudo de impacte ambiental do prolongamento do metro à Reboleira, de 2007, previa-se a abertura à exploração em agosto de 2010, mas a suspensão da obra adiou a entrada ao serviço "para dezembro de 2015", não existindo ainda garantias de que o projeto seja comparticipado por fundos comunitários. 

 

A transportadora salienta que o prolongamento se insere "na estratégia de reforço da intermodalidade com a ferrovia e assegurará a ligação da Linha Azul com a linha de comboios de Sintra". 

 

O estudo de viabilidade económica do empreendimento prevê que, com o rebatimento da linha ferroviária de Sintra, "a procura gerada pela futura estação da Reboleira seja de cerca de quatro milhões de passageiros/ano". 

 

A autarca da Amadora revelou que a câmara vai aprovar em julho o concurso para intervir na Avenida D. Carlos I, "com um investimento de 600 mil euros, para a requalificação entre o [Bingo do] Estrela da Amadora e a estação da Damaia". 

 

"Havendo este investimento da ligação do metro à ferrovia, também investimos para trazer mais segurança ao espaço público, para que as pessoas se sintam mais motivadas a usar o transporte público", frisou Carla Tavares. 

 

A presidente da autarquia explicou que a intervenção na D. Carlos I "vai aumentar o estacionamento, reforçar a iluminação pública, criar zonas de estadia e fazer a ligação da pista de caminhada da Reboleira" ao centro da cidade. 

 

"Esta zona vai ter quase mil lugares de estacionamento", contabilizou o vereador da Mobilidade e Obras Municipais¸ Gabriel Oliveira (PS). 

 

O projeto municipal quer potenciar os 600 lugares do parque de estacionamento da Infraestruturas de Portugal (ex-Refer), os 200 lugares junto ao Bingo, os 100 lugares junto ao interface da Reboleira, os 50 lugares na D. Carlos I e outros nas pracetas envolventes. 


A ligação do metro aos comboios será coberta e, junto ao interface, serão criados dez terminais para autocarros, e mais quatro nas proximidades, adiantou o vereador. 

 

O projeto viário foi reformulado para três vias, devido a constrangimentos com prédios na Damaia, mas o acesso à nova estação intermodal será facilitado para autocarros e automóveis. 

 

A linha azul do metropolitano passará a ter uma extensão de 13,7 quilómetros, com 18 estações entre a Reboleira e Santa Apolónia (Lisboa). 

 


Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11