sicnot

Perfil

Economia

Negociações continuam pela noite dentro "se for necessário"

O presidente do Eurogrupo disse esta quarta-feira à noite, após a suspensão do Eurogrupo, que as negociações para um acordo com a Grécia vão continuar pela noite dentro "se for necessário".

O presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem.

O presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem.

Wiktor Dabkowski / AP

"Estamos determinados em continuar o trabalho durante a noite se for necessário", afirmou Jeroen Dijsselbloem aos jornalistas, após a reunião de pouco mais de uma hora dos ministros das Finanças da zona euro, que voltam a encontrar-se esta quinta-feira pelas 13:00 locais (12:00 em Lisboa), na quarta reunião do Eurogrupo em apenas sete dias.

O encontro de hoje serviu sobretudo para dar conta aos ministros do andamento das negociações, não tendo sido discutidas medidas de forma mais concreta, sendo que ainda hoje vão continuar as discussões, mesmo ao mais alto nível. 

Pelas 22:00 de Lisboa (23:00 em Bruxelas) é retomada a reunião da tarde entre o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, e a diretora-geral do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde, o presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem.

Nos últimos dias têm-se sucedido várias reuniões - a nível técnico, de ministros das Finanças e mesmo de líderes da zona euro - com o objetivo de pôr fim ao impasse quanto às medidas a executar por Atenas que permitam fechar o atual programa de resgate e assim desbloquear a última 'tranche' de ajuda financeira, de 7,2 mil milhões de euros, essencial para as autoridades gregas conseguirem honrar atempadamente os seus compromissos.

A Grécia tem até 30 de junho para pagar 1,6 mil milhões de euros ao FMI e sem um acordo não terá dinheiro para cumprir esse compromisso.

Segundo vários meios de comunicação social, os credores insistem em mais cortes nas pensões, incluindo no complemento de solidariedade dado no caso das reformas mais baixas, em que a idade de reforma seja aumentada gradualmente para atingir os 67 anos em 2022 (três anos mais cedo do que pretendia Atenas) e mais aumentos do IVA (imposto sobre o consumo). 

Bruxelas, FMI e BCE querem ainda uma subida menor no imposto sobre as grandes empresas do que o proposto pelo Governo helénico, sugerindo que aumente de 26% para 28% e não para 29%.

Lusa
  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.