sicnot

Perfil

Economia

Oceanário concessionado a privados vai fazer mais do que faz hoje, diz ministro do Ambiente

 O ministro do Ambiente afirmou hoje que o Oceanário de Lisboa concessionado a privados "fará mais" do que faz hoje, ganhando "competências importantes na inovação" e tornando-se "um pilar do desenvolvimento do conhecimento científico".

A proposta de Orçamento do Estado para 2015 previa receitas de 40 milhões de euros com a concessão do Oceanário de Lisboa, que em 2014 gerou lucros de 1,49 milhões e recebeu quase 987 mil visitantes (+7%). (Arquivo)

A proposta de Orçamento do Estado para 2015 previa receitas de 40 milhões de euros com a concessão do Oceanário de Lisboa, que em 2014 gerou lucros de 1,49 milhões e recebeu quase 987 mil visitantes (+7%). (Arquivo)

© Reuters Photographer / Reuters

Em conferência de imprensa, no final do Conselho de Ministros, Jorge Moreira da Silva aconselhou "prudência" no tratamento noticioso desta matéria, frisando que "não foi ainda concluída", e considerou que "há boas razões para acreditar que na próxima semana o processo possa estar concluído".

Antes, o ministro da Presidência, Luís Marques Guedes, referiu que "o assunto não esteve hoje no Conselho de Ministros".

Marques Guedes afirmou que "o processo não está concluído" e que "o Oceanário não passa para privados, nunca foi essa a decisão do Governo".

"O Oceanário era propriedade da Parque Expo e, por decisão do Governo passou para o património do Estado. O Oceanário é e continuará a ser património do Estado. O processo de privatização que está em curso é da entidade concessionária da gestão do Oceanário", reforçou o ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares.

Por sua vez, o ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia disse que este é "um processo que teve início há muito tempo" e que tem como objetivo, "permitindo a gestão por parte de uma outra entidade num regime de concessão, em qualquer caso, assegurar que o Oceanário, não só faz aquilo que já faz hoje e bem, mas que fará mais".

O Oceanário de Lisboa "passará a ser encarado como um pilar do desenvolvimento do conhecimento científico e da inovação na área dos oceanos", acrescentou.

Questionado sobre os motivos que levam o Governo a fazer esta concessão a privados, Moreira da Silva considerou que "essa matéria era conhecida", mas dispôs-se a "repetir" as razões da decisão.

Referindo que "a Parque Expo tinha uma dívida de 200 milhões de euros", o ministro argumentou: "Era importante assegurar que os contribuintes não eram prejudicados no processo de liquidação, o que significa que o Estado teve de olhar para os ativos da Parque Expo de uma forma que os pudesse rentabilizar, reduzindo o impacto nos contribuintes neste processo de liquidação". 

"Por outro lado, quisemos assegurar que esse processo de liquidação e, portanto, de valorização de alguns ativos, não corresponderia a uma diminuição do serviço público, pelo contrário, corresponderia a uma melhoria do serviço público", completou. 

O ministro do Ambiente reiterou que "o Oceanário não só fará aquilo que já faz hoje, e bem, como passará a ter competências importantes na inovação, no conhecimento da economia do mar". 

"O que significa, portanto, que conseguimos compatibilizar o processo de liquidação da Parque Expo com a fruição daquele espaço e com a própria qualificação do serviço que é prestado", concluiu.

Sem querer "entrar nos detalhes sobre esta matéria", o ministro considerou "precipitada a forma tão massificada como se difundiu a ideia de que já havia uma decisão sobre esta matéria, quer ao nível do valor, quer ao nível da conclusão do processo".

"Eu recomendaria alguma prudência sobre uma matéria que não foi ainda concluída e relativamente à qual os valores que tenho visto divulgados não só não são consistentes entre as várias notícias como não correspondem obviamente à solução final", acrescentou.






Lusa

  • "Estamos vivos"
    11:41

    Reportagem Especial

    Os incêndios de 15 de outubro provocaram sete milhões de euros de prejuízos em empresas da região Norte. Castelo de Paiva foi o concelho mais atingido, o fogo destruiu várias casas e empresas que davam trabalho a cerca de 200 pessoas. Um mês depois do incêndio, a Reportagem Especial da SIC foi ver o que está a ser feito para ajudar a população.

  • Administrador recebia 420 mil € por ano quando aldeamento passava dificuldades
    4:39

    Operação Marquês

    A Caixa Geral de Depósitos tentou cortar para metade o salário do presidente do Conselho de Administração de Vale do Lobo, mas não conseguiu. Diogo Gaspar Ferreira ganhava 420 mil euros por ano, quando o empreendimento estava enterrado em dívidas. A Autoridade Tributária estima também que o arguido da Operação Marquês não tenha declarado 400 mil euros pagos pelo aldeamento.

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Notas e moedas têm os dias contados?
    6:27
  • Marcelo e Costa unidos contra contagem do tempo integral de serviço dos professores
    2:45

    País

    Em menos de 24 horas, o Presidente da República e o primeiro-ministro deram publicamente sinais de que estão unidos contra a contagem de todo o tempo de serviço de professores e outros agentes do Estado para efeitos salariais. Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa disseram que essa possibilidade é uma ilusão e que o país não tem condições para voltar aos níveis anteriores à crise.

  • Político oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.

  • Paris inaugura primeiro restaurante naturista

    Mundo

    Para entrar, é preciso retirar a roupa e apenas as mulheres podem permanecer calçadas. O primeiro restaurante naturista de Paris abriu em novembro para responder a uma necessidade em França, principal destino do mundo para os praticantes de nudismo.

  • Peru faz aparição especial na Casa Branca
    1:10

    Mundo

    Os norte-americanos estão a preparar-se para o tradicional Dia de Ação de Graças, assinalado na próxima quinta-feira. O tradicional peru fez esta terça-feira uma aparição especial na sala de conferências de imprensa, na Casa Branca, em Washington. O peru é o prato tradicional no Dia de Ação de Graças, uma data de louvor a Deus, que remonta ao século XVII e que é celebrada na quarta quinta-feira de novembro, sobretudo nos Estados Unidos da América e no Canadá.

  • Sara Sampaio brilha em Xangai
    1:50