sicnot

Perfil

Economia

Rússia torna-se o maior fornecedor de petróleo à China

 A Rússia tornou-se o maior fornecedor de petróleo à China, ultrapassando a Arábia Saudita, enquanto Angola se mantém no segundo lugar, indicam estatísticas da Administração-Geral das Alfândegas chinesas citadas hoje na imprensa oficial.

© Sergei Karpukhin / Reuters

Em maio passado, a China importou da Rússia uma média 927.000 barris de petróleo por dia, mais 20% do que no mês anterior, enquanto as suas importações da Arábia Saudita caíram 42%, para 722.000 barris/dia, durante o mesmo período. Um barril tem cerca de 159 litros.

Foi a primeira vez em quase uma década que a Rússia liderou as importações chinesas de petróleo, assinalou o China Daily.

"A débil economia da Rússia necessita de ajuda da China. O petróleo tornou-se um instrumento efetivo da sua cooperação estratégica e politica", disse um analista citado por aquele jornal.

A cooperação sino-russa na área da energia não se limita, contudo, ao petróleo.

O ano passado, os dois países assinaram um acordo de 400.000 milhões de dólares para o fornecimento anual de 38.000 milhões de metros cúbicos de gás natural russo à China durante três décadas.

Segunda maior economia mundial, a seguir aos Estados Unidos, a China já é também o segundo maior consumidor de petróleo do planeta e importa mais de metade do que consome.

Lusa
  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.