sicnot

Perfil

Economia

Facebook abre primeiro escritório africano em Joanesburgo

A empresa Facebook abriu o seu primeiro escritório no continente africano, em Joanesburgo, mostrando o interesse da companhia no continente africano, onde os utilizadores cresceram 20% desde setembro do ano passado, para 120 milhões.

© Dado Ruvic / Reuters

Com sede em Melrose Arch, em Joanesburgo, o mais recente escritório do Facebook será liderado por Nuno Ntshingila, o novo responsável pelo continente africano.

"Somos inspirados pelas maneiras incríveis como as pessoas e as empresas usam o Facebook em África para se ligarem", comentou o vice-presidente Nicola Mendelsohn, notando que 80% dos utilizadores africanos recorrem a telemóveis para se ligarem a esta rede social e lembrando que no primeiro trimestre deste ano, as receitas do Facebook vindas fora dos Estados Unidos e do Canadá já representaram 52%.

A utilização da tecnologia móvel "não é apenas uma tendência, é o mais rápido desenvolvimento em telecomunicações que já vimos", comentou o responsável.

"Isto não podia ser mais verdade em África, onde tantas pessoas só usam o telemóvel [e não uma rede fixa]; este novo escritório é um importante marco para o Facebook e as nossas equipas querem parcerias com os negócios em todo o continente", concluiu.

A empresa vai inicialmente focar-se nos mercados-âncora nas principais regiões da África subsariana: Quénia, Nigéria e África do Sul, mas outros dos territórios com apoio incluem Moçambique, Senegal, Costa do Marfim e Etiópia.

Lusa
  • Processada pela GNR devido a post no Facebook
    1:27

    País

    A GNR processou uma mulher por difamação, depois de ela ter sido multada e ter publicado um post com fotografias no Facebook. Na rede social, a mulher revelou a imagem do carro dos agentes estacionado no local onde antes fora multada e sugeriu que estavam a tomar o pequeno-almoço.

  • ONU critica Nauru por proibir Facebook

    Mundo

    As Nações Unidas criticaram hoje a pequena nação de Nauru, no Pacífico, por ter limitado o acesso à Internet, incluindo ao Facebook, e instou o país a acabar com a repressão à liberdade de expressão.

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.