sicnot

Perfil

Economia

Injeção de divisas nos bancos angolanos cresce 23% numa semana

A venda de divisas do Banco Nacional de Angola (BNA) à banca comercial subiu mais de 23 por cento na última semana, para 431,4 milhões de dólares (388 milhões de euros), indicam dados da instituição.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

Reuters

De acordo com o relatório semanal sobre a evolução dos mercados monetário e cambial do BNA, ao qual a Lusa teve hoje acesso, as vendas de divisas entre 22 e 26 de junho foram concretizadas a uma taxa média de referência do mercado cambial interbancário de 121,965 kwanzas (90 cêntimos) por cada dólar, um novo máximo.

Na semana anterior, o BNA vendeu aos bancos comerciais, em leilões, 350 milhões de dólares (315 milhões de euros), tendo o banco central em curso desde o final de maio um programa para enfrentar a atual crise cambial no país. 

O kwanza angolano já desvalorizou mais de 20% face à moeda norte-americana nos últimos oito meses, devido à crise da quebra da cotação internacional do petróleo, que fez diminuir as receitas fiscais e a entrada de divisas (dólares) no país. 

A situação está a complicar as necessidades de moeda estrangeira que Angola tem para garantir as importações, de alimentos a matéria-prima e máquinas.

Alguns empresários admitiram nas últimas semanas a possibilidade de pararem a produção devido à falta de matéria-prima, tendo em conta os atrasos nos pagamentos de faturas internacionais, dependentes da disponibilização de divisas pelos bancos.

O governador do BNA disse no final de maio que aquela instituição tem agora "elementos para flexibilizar" a gestão do mercado cambial, passando pelo aumento de dois para três leilões semanais, para regularizar o fluxo de divisas à banca comercial, que tem vindo a aumentar nas últimas semanas.

"Com as medidas que vamos tomar, cremos que a situação se vai começar a resolver paulatinamente", apontou na ocasião José Pedro de Morais Júnior.


Lusa
  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida