sicnot

Perfil

Economia

Assembleia Municipal de Lisboa contra privatização do Oceanário

A Assembleia Municipal de Lisboa aprovou hoje uma moção contra a "privatização" do Oceanário de Lisboa, cuja concessão da gestão a privados será decidida esta semana em Conselho de Ministros.

A sociedade Oceanário de Lisboa deverá promover o conhecimento dos oceanos e sensibilizar para o dever de conservação do património natural, assim como manter e reforçar o "estatuto e ativo reputacional do equipamento como um dos melhores aquários públicos do mundo". (Arquivo)

A sociedade Oceanário de Lisboa deverá promover o conhecimento dos oceanos e sensibilizar para o dever de conservação do património natural, assim como manter e reforçar o "estatuto e ativo reputacional do equipamento como um dos melhores aquários públicos do mundo". (Arquivo)

© Nacho Doce / Reuters

Cristina Andrade, deputada do Bloco de Esquerda (BE), partido que propôs a moção, repudiou "a privatização de um espaço de referência da cidade" que é "o equipamento cultural mais visitado do país".

"A privatização irá comprometer os objetivos públicos deste espaço", referiu.

A moção foi aprovada por maioria, com os votos favoráveis do PS, PCP, Partido Ecologista Os Verdes (PEV), Pessoas-Animais-Natureza (PAN), movimento Parque das Nações por Nós (PNPN), deputados independentes eleitos nas listas do PS e BE e com os votos contra do CDS-PP, do Partido da Terra (MPT) e do PSD.

Na moção, a assembleia deliberou "reforçar a tomada de posição contra a opção pela privatização do Oceanário de Lisboa" e "exigir a garantia de acesso universal a todos e todas".

O ministro do Ambiente afirmou na semana passada que a concessão da gestão do Oceanário de Lisboa a privados será decidida esta semana pelo Conselho de Ministros, marcado para quinta-feira. A tutela adiantou que o encaixe financeiro total para o Estado será superior a 24 milhões de euros. 

Fontes ligadas ao processo disseram à agência Lusa, na semana passada, que o período de contestação ao relatório preliminar, o qual aponta a Sociedade Francisco Manuel dos Santos, maior acionista do grupo Jerónimo Martins, como vencedora do concurso internacional, terminou nesse dia, não tendo havido contestação por parte dos outros quatro concorrentes.

O equipamento, no Parque das Nações, é um dos ativos que o Governo escolheu alienar ou concessionar para ajudar a reduzir a dívida da Parque Expo, sociedade criada a propósito da Expo'98 e atualmente em liquidação, depois de o executivo ter anunciado em 2011 a sua extinção.

O concessionário privado ficará com o capital da sociedade que gere o equipamento, a Oceanário de Lisboa, SA. 

A assembleia aprovou também hoje, entre outros, uma recomendação sobre a instalação da nova Feira Popular e outra pela reabilitação e usufruto de todos da Estação Ferroviária de Santa Apolónia.

A primeira, proposta pelo BE e aprovada por maioria com a abstenção dos independentes eleitos pelo PS, recomenda à câmara que "acelere o processo de escolha de nova localização para a Feira Popular de Lisboa e que a coloque em consulta pública para pronunciamento dos lisboetas".

Na segunda, proposta pelo PCP e aprovada por maioria com os votos contra do PS e do PNPN, a assembleia mostra "o seu claro desacordo com a visão que é apresentada pelo vereador do pelouro do Urbanismo para o local onde se encontra a Estação Ferroviária de Santa Apolónia, recomendando que, ao contrário, sejam tomadas providências no sentido de serem aproveitadas ao máximo as potencialidades desta infraestrutura da cidade".

O vereador do Urbanismo, Manuel Salgado, defendeu recentemente, "numa visão de futuro", o encerramento da estação de comboios de Santa Apolónia para dar lugar a um espaço verde com ligação ao rio Tejo.

O deputado socialista Pedro Delgado Alves justificou o voto contra do PS com o facto "de se colocar a votação um não assunto": "Rejeitamos a moção em si mesma e não o seu conteúdo. Não há projeto, não há programa, apenas a opinião de um elemento do executivo".

 

 

 

 

Lusa

 

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28