sicnot

Perfil

Economia

Função Pública perdeu mais de 14.400 trabalhadores até março

Durante o primeiro trimestre deste ano saíram da Função Pública 14.415 trabalhadores, o que representa uma quebra de 2,2% face ao período homólogo do ano passado, divulgou hoje a Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP).  

© Yuriko Nakao / Reuters

Segundo a Síntese Estatística do Emprego Público (SIEP), divulgada pela DGAEP, a 31 de março de 2015, o emprego na administração pública situava-se em 656.750 postos de trabalho, revelando uma quebra global de 2,2% em termos homólogos e de 9,7% face a 31 de dezembro de 2011 (menos 70.544 postos de trabalho).

No entanto, e numa comparação com o final do trimestre anterior, o emprego nas administrações públicas cresceu 930 postos de trabalho (0,1%), em resultado do aumento do número de trabalhadores da administração central (mais 1.920 correspondente a um crescimento de 0,4%).

Esta subida resulta, de acordo com a SIEP, do aumento do número de trabalhadores nos estabelecimentos do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e estabelecimentos de ensino básico e secundário do Ministério da Educação e Ciência (MEC), durante o primeiro trimestre do ano.

O saldo positivo de emprego na administração central, no primeiro trimestre do ano, resultou numa ligeira subida do peso deste subsetor no emprego nas administrações públicas, situando-se agora nos 76%, face aos 75,8% no trimestre anterior, destaca o documento.

Com um peso na população total de 6,3%, o emprego no setor das administrações públicas representava, a 31 de março de 2015, cerca de 12,7% da população ativa e de 14,7% da população empregada.

Quanto ao valor médio mensal das remunerações dos trabalhadores a tempo completo da administração pública este situava-se, em janeiro de 2015, nos 1.407,4 euros, correspondendo a um acréscimo global médio de cerca de 1,2% face a outubro de 2014.

Lusa

  • Passos começou a fazer oposição

    Bernardo Ferrão

    É inegável a habilidade política de António Costa mas no caso da TSU e do acordo de Concertação Social só cai quem quer. A verdade dos factos é que o primeiro-ministro fechou um acordo sabendo que não o podia cumprir. E agora tenta desviar-nos o olhar para o PSD, como se fosse ele o culpado, quando o problema está na geringonça. Antes de atacar Passos, Costa devia resolver os problemas em casa com o PCP e BE.

    Bernardo Ferrão

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.