sicnot

Perfil

Economia

Negociações reabertas, teleconferência do Eurogrupo analisa proposta grega

As negociações entre a Grécia e as instituições europeias foram reabertas. Para as 18:00 está marcada uma reunião dos ministros das Finanças da zona euro por teleconferência. O governo de Atenas propõe agora um acordo por dois anos com o Mecanismo Europeu de Estabilidade que garanta o financiamento e volta a pedir a restruturação da divida. Se nada se alterar nas próximas horas, a Grécia vai falhar hoje o pagamento de 1,6 mil milhões de euros ao FMI.  

© Yannis Behrakis / Reuters

Se a Grécia falhar o pagamento de 1,6 mil milhões de euros já hoje, mas não é por isso que vai entrar em incumprimento ('default'), dizem as agências de 'rating'. 

As três maiores agências de notação financeira mundiais dizem que falhar o pagamento de 1,6 mil milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional, cujo prazo termina esta noite, não constitui um 'default' porque esse termo, que é evitado a todo o custo em Washington, está reservado para o incumprimento nos pagamentos aos credores do setor privado. 

De acordo com a agência financeira Bloomberg, a chave para aferir se existe ou não um 'default' está no Banco Central Europeu, o mesmo que, apesar de estar a manter o sistema financeiro grego vivo com uma injeção de quase 90 mil milhões de euros, ainda não se pronunciou sobre o que significa e quais as consequências da falta de pagamento já anunciada pelo Governo de Atenas. 

Em declarações à agência de notícias Bloomberg, o economista-chefe da UniCredit considerou que a manutenção para além de hoje desta linha de financiamento de emergência (Emergency Liquidity Assistance - ELA, no original em inglês) aos bancos gregos "não será tomada sem cobertura política ao mais alto nível", leia-se dos responsáveis políticos da zona euro. 

De acordo com as regras do Banco Central Europeu (BCE), este financiamento está disponível para os bancos enquanto forem solventes e tiverem colateral adequado, não havendo uma obrigação explícita de a Grécia ter os pagamentos em dia ao FMI para os bancos continuarem a receber ajuda. 

Outra nota importante sobre a reação do BCE é a negociação que está em curso entre Bruxelas e o Governo grego, e o anúncio, ao princípio da tarde, de que Atenas pediu um terceiro resgate. 

O presidente do Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF) que suporta a Grécia, Klaus Regling, disse ainda este mês que pode acelerar o pagamento de 130 mil milhões de euros à Grécia caso haja um atraso no pagamento ao FMI, por isso a Blomberg conclui que "o momento chave será quando a líder do FMI disser ao conselho de administração que a Grécia está atrasada no pagamento", o que acontecerá, já prometeu Christine Lagarde, rapidamente, provavelmente já na quarta-feira. 

Regling teria então de fazer uma recomendação ao conselho de administração do FEEF, composto pelos vice-ministros das Finanças da zona euro, explicou uma fonte comunitária à Bloomberg.

 

Com Lusa

  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de cinco anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15

    Opinião

    José Gomes Ferreira diz que as pessoas que ateiam fogo nas florestas sabem "estudar os dias e o vento para arder o máximo possível". Em entrevista no Jornal da Noite, o diretor-adjunto de Informação da SIC, fala na importância de haver uma auditoria para tentar perceber o porquê de haver tantas ignições e saber se há alguém que ganhe com esta vaga de incêndios. 

    José Gomes Ferreira

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.