sicnot

Perfil

Economia

Termina hoje prazo para propostas vinculativas para o Novo Banco

O prazo para as cinco entidades que ainda se encontram na corrida à compra do Novo Banco avançarem com propostas vinculativas para a aquisição da entidade termina hoje, passando depois a 'bola' para o lado do Banco de Portugal.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

A 17 de abril, o supervisor bancário anunciou ter selecionado cinco das sete entidades que tinham participado na segunda fase do processo de venda do Novo Banco, impondo o dia de hoje (30 de junho) como a data limite para a apresentação de ofertas vinculativas.

Na primeira fase deste processo participaram 17 entidades, tendo sido 15 avalizadas pelo Banco de Portugal para passar à segunda fase, ainda que apenas sete tenham formalizado esse interesse e apenas cinco tenham sido escolhidas pelo supervisor bancário para o efeito.

No início deste mês, o Financial Times escreveu que os favoritos a adquirir o Novo Banco são os chineses da Fosun ou da Anbang, os únicos que estão dispostos a pagar mais de 4,0 mil milhões de euros pela instituição financeira.

Para além dos chineses, estão também na corrida à compra do Novo Banco, diz o FT, os espanhóis do Santander e os fundos norte-americanos Apollo e Cerberus, que passaram os últimos dois meses e meio na fase de 'due dilligence', ou seja, em contacto com o banco para conhecer a sua situação financeira, patrimonial e outros.

A "atratividade da oferta financeira", leia-se, o melhor preço, é o principal critério de escolha entre as propostas que forem apresentadas para a compra da instituição agora liderada por Eduardo Stock da Cunha. 

O segundo critério mais valorizado para a escolha do comprador será a sua disponibilidade para comprar a totalidade dos ativos colocados à venda, seguindo-se-lhe os planos estratégicos e de desenvolvimento apresentados para o Novo Banco, e o impacto geral da operação na concorrência e estabilidade do setor em Portugal.

A 03 de agosto, o Banco de Portugal tomou o controlo do BES, após a apresentação de prejuízos semestrais de 3,6 mil milhões de euros, e anunciou a separação da instituição em duas entidades: o chamado banco mau (um veículo que mantém o nome BES e que concentra os ativos e passivos tóxicos do BES, assim como os acionistas) e o banco de transição que foi designado Novo Banco.

 

Lusa

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57
  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Maioria das praias do Algarve já não tem nadador-salvador
    2:19

    País

    A lei não obrigada os concessionários a garantir o serviço e, por isso, a esmagadora maioria das praias do Algarve está sem vigilância desde 30 de setembro. Ainda assim, os areais vão atraindo milhares de banhistas com as temperaturas altas que ainda se fazem sentir. Um nadador-salvador recomenda os banhistas a não nadar e, em dias de ondulação, evitar caminhadas à beira-mar.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31