sicnot

Perfil

Economia

Paris vai tentar evitar saída da Grécia do euro incluindo em caso de "não" no referendo

O ministro das Finanças francês, Michel Sapin, afirmou hoje que Paris vai tentar evitar a saída da Grécia do euro, incluindo no caso de vitória do "não" à proposta europeia, no referendo convocado para o próximo domingo.

reuters

Em entrevista à emissora francesa RTL, Michel Sapin insistiu que "o objetivo é alcançar um acordo antes do referendo, se possível", mas não para impedir que este se realize, dado que essa é uma decisão dos gregos.

"O papel da França é, até ao último momento, o de ver se é possível um acordo (...) para uma Grécia que recupere a estabilidade e a Europa a tranquilidade", assinalou o ministro que admitiu, de seguida, que consegui-lo "é horrivelmente complicado".

Questionado sobre se é a favor do 'sim' no referendo, Sapin recusou responder diretamente para evitar uma intromissão numa questão que cabe aos gregos decidir.

Contudo, comentou que "as consequências" não seriam as mesmas: "com o 'sim' as negociações continuariam (....), enquanto com o "não" há um risco de deslize para a saída da Grécia do euro".

E ressalvou: "Ainda que o 'não' ganhe, o papel da França será tentar conseguir que a Grécia se mantenha no euro".

Sobre a presumível intransigência de Berlim em relação à posição de Atenas, Michel Sapin afirmou que "os mais duros não são os alemães, mas os pequenos países que fizeram significativos esforços", que têm agora uma situação "melhor" e consideram que a Grécia não pode evitar passar pelo mesmo processo.

Citou os casos da Croácia e da Eslováquia e comentou que face à crise grega a "Alemanha está numa situação compreensível também relativamente à opinião pública alemã".

 

  • Atenas no primeiro dia de incumprimento e de muitas incertezas
    4:28

    Crise na Grécia

    A Grécia falhou o pagamento dos quase 1,6 mil milhões de euros respeitantes ao reembolso do empréstimo que Atenas pediu ao FMI. O prazo terminou às 23:00, hora de Lisboa, 1:00 em Atenas. A Grécia está, então, a viver hoje o primeiro dia de incumprimento e o primeiro, também, de muitas incertezas. O Anselmo Crespo está em Atenas e dá conta das dúvidas e receios visíveis nas filas para os multibancos.