sicnot

Perfil

Economia

Paris vai tentar evitar saída da Grécia do euro incluindo em caso de "não" no referendo

O ministro das Finanças francês, Michel Sapin, afirmou hoje que Paris vai tentar evitar a saída da Grécia do euro, incluindo no caso de vitória do "não" à proposta europeia, no referendo convocado para o próximo domingo.

reuters

Em entrevista à emissora francesa RTL, Michel Sapin insistiu que "o objetivo é alcançar um acordo antes do referendo, se possível", mas não para impedir que este se realize, dado que essa é uma decisão dos gregos.

"O papel da França é, até ao último momento, o de ver se é possível um acordo (...) para uma Grécia que recupere a estabilidade e a Europa a tranquilidade", assinalou o ministro que admitiu, de seguida, que consegui-lo "é horrivelmente complicado".

Questionado sobre se é a favor do 'sim' no referendo, Sapin recusou responder diretamente para evitar uma intromissão numa questão que cabe aos gregos decidir.

Contudo, comentou que "as consequências" não seriam as mesmas: "com o 'sim' as negociações continuariam (....), enquanto com o "não" há um risco de deslize para a saída da Grécia do euro".

E ressalvou: "Ainda que o 'não' ganhe, o papel da França será tentar conseguir que a Grécia se mantenha no euro".

Sobre a presumível intransigência de Berlim em relação à posição de Atenas, Michel Sapin afirmou que "os mais duros não são os alemães, mas os pequenos países que fizeram significativos esforços", que têm agora uma situação "melhor" e consideram que a Grécia não pode evitar passar pelo mesmo processo.

Citou os casos da Croácia e da Eslováquia e comentou que face à crise grega a "Alemanha está numa situação compreensível também relativamente à opinião pública alemã".

 

  • Atenas no primeiro dia de incumprimento e de muitas incertezas
    4:28

    Crise na Grécia

    A Grécia falhou o pagamento dos quase 1,6 mil milhões de euros respeitantes ao reembolso do empréstimo que Atenas pediu ao FMI. O prazo terminou às 23:00, hora de Lisboa, 1:00 em Atenas. A Grécia está, então, a viver hoje o primeiro dia de incumprimento e o primeiro, também, de muitas incertezas. O Anselmo Crespo está em Atenas e dá conta das dúvidas e receios visíveis nas filas para os multibancos.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35

    País

    A data para as próximas eleições autárquicas já gerou consenso. 1 de outubro é a data pedida pelos vários partidos ouvidos esta segunda-feira por António Costa. Na próxima quinta-feira, no Conselho de Ministros, o dia de ir às urnas vai ser escolhido.